A sĂ­ndrome de Peter Pan

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
Mariana Dorigatti
maridorigatti@gmail.com
 

Quando nos lembramos de forma nostálgica dos tempos de infância que se passaram e jamais voltarão, é comum ouvir coisas do tipo “eu não tinha que me preocupar com nada”, ou “eu era feliz e não sabia”. Realmente, a infância e adolescência, quando não atravessam períodos traumáticos, tornam-se as mais ternas recordações que o ser humano terá no percurso de toda a sua vida.

Com este pensamento, alguns grandões se esquecem de crescer e assumir as responsabilidades inseridas na vida adulta. Estes eternos adolescentes consideram-se afortunados pela síndrome de Peter Pan, que ganhou o nome do famoso personagem dos contos de fadas que não queria crescer.

Porém, bancar o adolescente pode ser visto como ridículo e inapropriado, já que algumas pessoas exageram tentando enganar o tempo. Certamente você já se deparou com um homem de 40 anos, vestindo roupas juvenis, usando gírias e freqüentando ambientes badalados por adolescentes. Além disso, é incapaz de criar vínculos afetivos, assumir compromissos, traçar planos futuros...

Então, o que a princípio pode parecer divertido, revela-se em uma profunda melancolia de pessoas que não possuem confiança própria, e que por isso preferem viver estagnadas, presas a uma época que já passou.

Ainda assim, devemos buscar o espírito da juventude sempre! A alegria de viver intensamente, de sonhar o possível e o impossível, tendo nos olhos a graça e a esperança de uma criança, e nas pálpebras cansadas, a dureza das responsabilidades da vida adulta.

Se na Terra do Nunca o segredo para voar é ter pensamentos bons, que continuem assim os grandões e os pequeninos buscando os sonhos que o tempo não pode destruir.


Mariana Dorigatti
Bacharel em jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Produtora do videodocumentário “Opção Camelô”, que retrata a realidade em que vive o trabalhador informal de Campinas (2º colocado no II Prêmio Bosch de Talentos em Comunicação). Atua no jornalismo como repórter, assessora de imprensa, editora e colunista.
Email: maridorigatti@gmail.com




Mais textos deste colunista:
O vendedor de histĂłrias
A mĂ­ope
Natal é tempo de renovação
CrĂ´nica: Adelaide
PolĂ­tica no Brasil Ă© tema de deboche
Primavera está chegando
Fanatismo musical
Como perder um grande amor

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 10.238.878 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.