A vida mutilada

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
Maria Regina Canhos Vicentin
contato@mariaregina.com.br
 

De uma hora para outra a fatalidade toma conta de sua vida. Um acidente de trabalho, automobil√≠stico, dom√©stico... Uma doen√ßa ingrata. A f√ļria de algum animal. A crueldade de um semelhante. V√°rios podem ser os motivos que levam algu√©m a passar pela dor da mutila√ß√£o. √Č verdadeiramente terr√≠vel perder parte do corpo que, normalmente, amamos. Podemos n√£o ser perfeitos, mas com certeza, nosso corpo muito nos agrada. √Č com ele, e por interm√©dio dele, que nos locomovemos, trabalhamos, participamos da vida em sociedade, amamos e nos divertimos. Assim, qualquer dano ao nosso patrim√īnio f√≠sico s√≥ √© superado com grandes dificuldades.

A principal delas √© a aceita√ß√£o, pois n√£o se admite a ocorr√™ncia de evento que nos atinja t√£o severamente. Ainda que os riscos sejam consider√°veis, nunca se est√° preparado para o pior. Ningu√©m jamais est√° preparado para o pior. Vivencia-se um pesadelo sem fim e, todas as vezes que se acorda e se olha para aquela parte, constata-se com pesar que ela n√£o est√° mesmo l√°. A pessoa se percebe mutilada. Falta um peda√ßo em seu corpo f√≠sico. Fica pensando em como poderia ter evitado tal situa√ß√£o e, intimamente se culpa, acreditando que deveria ter sido mais previdente e precavido, menos arrojado, mais cuidadoso. Perde-se um bom tempo tentando encontrar motivos que justifiquem essa situa√ß√£o. Mesmo assim, por mais que se pense nada far√° mudar o resultado inequ√≠voco que ora se apresenta. Faz-se necess√°ria a resigna√ß√£o. Isso n√£o √© conformismo. √Č a aceita√ß√£o inevit√°vel de algo que aconteceu e n√£o tem mais como deixar de ser. √Č a √ļnica coisa que trar√° um pouco de paz para quem anda sofrendo tanto.

Sei que alguns prefeririam ter morrido. O impacto da aus√™ncia de conformidade f√≠sica gera o constrangimento de muitas pessoas. √Äs vezes, suscita a piedade alheia e voc√™ pode n√£o gostar disso, mesmo assim vai ter que aprender a lidar com novas situa√ß√Ķes daqui pra frente. Muitos estar√£o dispostos a lhe ajudar e procurar√£o compreender a sua dor. Aceite essa disponibilidade. Isso o tranquilizar√°, pois o far√° ver que n√£o est√° s√≥, que pode contar com os demais.

Sim, sei que terá que aprender a lidar também com a curiosidade das outras pessoas. Fazer o quê?! Você passou a ser visto como alguém diferente dos demais, e isso desperta curiosidade porque foge do comum. Terá que repetir várias vezes a mesma história, pois muitos vão lhe perguntar o que ocorreu. Procure contá-la cada vez com menos emoção. Aos poucos, falar sobre sua experiência não lhe trará tanta dor e você passará a vê-la como coisa da vida, possível a qualquer um.

Procure n√£o se demorar no luto pela parte perdida. Esse tempo √© precioso para desenvolver as habilidades necess√°rias para compensar essa car√™ncia. √Č prov√°vel que precise se submeter a sess√Ķes de fisioterapia e acompanhamentos psicol√≥gicos. Isso √© muito bom e vai lhe ajudar a enfrentar esse momento dif√≠cil. Fa√ßa as pazes com o tempo, pois ele ser√° seu maior aliado nessa batalha de supera√ß√£o das novas limita√ß√Ķes. Confie em Deus e pe√ßa al√≠vio para todas as dificuldades iniciais. Com perseveran√ßa voc√™ vai vencer mais essa prova da vida!


Maria Regina Canhos Vicentin
Natural de Ja√ļ/SP. Formou-se em Psicologia pela USP de Ribeir√£o Preto e em Direito pela Institui√ß√£o Toledo de Ensino de Bauru. Especializou-se em Educa√ß√£o pela Faculdade Claretianas de Batatais. Psic√≥loga Judici√°ria no F√≥rum da Comarca de Ja√ļ. Profissional Especialista em Psicologia Cl√≠nica e em Psicologia Jur√≠dica.Autora dos livros: Buscando a Felicidade (Ed.Celebris), Sementes de Esperan√ßa (Ed.Santu√°rio), Temas do Cotidiano (Ed.Santu√°rio), e Superdicas para ser feliz no amor (Ed.Celebris). Agente de Pastoral da Evangeliza√ß√£o da Par√≥quia de S√£o Jo√£o Batista em Ja√ļ (SP) escreve regularmente para diversos jornais; entre eles, Folha da Regi√£o (Ara√ßatuba ‚Äď SP) e O Lutador (Belo Horizonte ‚Äď MG), al√©m da Revista O Mensageiro de Santo Ant√īnio (Santo Andr√© ‚Äď SP), e Fam√≠lia Crist√£ Online (S√£o Paulo ‚Äď SP).
Email: contato@mariaregina.com.br
Site: www.mariaregina.com.br




Mais textos deste colunista:
Tolerar; até quando?
Sofrimento: prova de Deus ou armadilha do diabo?
A alegria e o prazer
O tempo de Deus
A mudança que dói
Dia Internacional da Mulher
Proteção de Deus
O mal versus o bem
Adeus ano velho, feliz ano novo
Nasce uma esperança
Eu sinto isso
Aumento dos casos de estupros no Brasil
Finados
Crian√ßa ‚Äď Sujeito de direitos
Relacionamentos que fazem sofrer
O sucesso
Quando um amor se vai...
A onda de violência
Mude o Brasil, mas comece por você!
Dia dos namorados
A dura carga da mulher
Mulher-M√£e
A import√Ęncia da autoestima
Pais que exigem demais
Um dia de prostração
A intoler√Ęncia
P√°scoa
Em nome do amor
Os grandes golpes da vida
A mulher e suas muitas faces
Família
O papa coragem
A import√Ęncia de viver cada dia
Trabalho infantil
Prestígio
Maternidade tardia
Mudança de olhar
Feliz Natal!
Preparai o caminho...
O que é o livre-arbítrio?
O fim do casamento
A pregação da Palavra
Doutrinas
Escrevendo sobre o óbvio
A afeição dos animais
Quinze anos
Quaresma ‚Äď Tempo de mudan√ßa
Presente de anivers√°rio
O sexo pelo sexo
A era das pseudoatitudes
Correndo contra o tempo
Uma reflex√£o sobre o relato de Viktor Frankl
Um grande amor
Lei da palmada
Conto de Natal*
Abaixo o isolamento
A difícil arte de relacionar-se
A necessidade de valorização e reconhecimento
Autoestima e limites
Dia dos professores
Sem explicação
Luz na Pris√£o
Sonhos nem sempre s√£o como parecem
O excesso é ruim
Oito ou oitenta
O necess√°rio preparo
O ciclo da vida
O mito da felicidade
O ci√ļme
Namorados: amai-vos
O direito de discordar
Azedo x Doce
Vinde Espírito Santo
Abaixo o Kit Gay
Paix√£o de Cristo
A idade aprimora ou piora
A criação geme em dores de parto
Mulheres
Mais um carnaval
Capacitar-se é preciso
Ser√° que estamos sendo roubados?
Pensamentos tormentosos
Editora Santu√°rio ‚Äď 110 anos escrevendo e fazendo hist√≥ria!
O segredo é soltar devagar
Pecador tem jeito
Agradecimentos
Logo é Natal
Faça a sua parte
Quarenta e cinco anos
Deus sabe
Crise de autoridade
O amor precisa ser cultivado
O transtorno de deficit de atenção e hiperatividade e os superdiagnósticos
Arrog√Ęncia x humildade
Adultos mimados
Belas palavras
A porta estreita
Família - Formadora de valores humanos e cristãos
Buscando um nome - encontrou um pai
Ainda n√£o foi desta vez
Amizade
Somos especiais
A oração e o livramento
Autocomiseração
A complexidade que exclui
Adeus professora
Violência sexual face à crianças
A dor da decepção
Mam√£e - superlativo da palavra amor!
M√£e
Quem segura o leme da ‚ÄúBarca de Pedro‚ÄĚ?
Agradecer faz parte
Esta√ß√Ķes da vida
P√°scoa - Amor incondicional
Arrependimento e perd√£o
Frustração no relacionamento entre pais e filhos
Saudade
Mulher
Espiritualidade da Quaresma ‚Äď A Li√ß√£o do Cata-Vento
Pai amigo
Preparação para o casamento
M√°scaras
Postura faz diferença
Palavras
Filhos usam drogas porque os pais tomam remédios?
Zilda Arns: A vida de uma guerreira
Delicadeza x grosseria

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 7.548.582 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.