Margarida

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
 

- Tudo bem, senhor Delegado. Se é necessário eu registro o tal de Boletim de Ocorrências. Presto todos os depoimentos necessários e, ainda que isso implica em ter que perder aulas, voltarei quantas vezes for necessário. Mas, Senhor Delegado, por favor veja se consegue prender o ladrão...

- Faremos o possível, Dona. Mas, a senhora há de convir que não é nada fácil. Vivemos em uma cidade violenta e roubos como o que a senhora sofreu são extremamente comuns. A maior parte nem dá queixa...

- Também eu, Senhor Delegado, não daria queixa. Ocorre, entretanto, que necessito recuperar o que foi roubado. É essencial que o Senhor e que toda a Polícia possa me ajudar. Eu estou implorando doutor...

- Tudo bem... tudo bem. Vamos então colher seu depoimento. Nome completo, outros dados pessoais e, com objetividade, conte como tudo aconteceu...

- Meu nome é Margarida Pontes. Sou professora da Escola estadual Waldomiro Contreras. Tenho 34 anos, sou casada e aqui está para o senhor conferir todos os meus documentos...

- Bem, professora Margarida. Vejo que, pelo menos sobrarão seus documentos. Menos mal. Muitas das pessoas que aqui me procuram são roubadas em dinheiro, talão de cheque, cartão bancário, documentos e, ainda erguem a mãos para os céus quando são poupadas em sua vida...

- Acontece doutor que minha perda é muito grande. Se fossem os documentos, ficaria chateada, mas iria providenciar uma segunda via. Não seria a primeira vez. Mas, minha perda é mesmo muito importante. Será que posso ter esperanças?

- Não sei! Não sei! Mas, vamos lá. Conte toda a ocorrência. A senhora é professora e, portanto, deve ser muito boa em relatar e sintetizar!

- Tudo começou quando eu ia saindo do ônibus após as aulas. Eram mais ou menos seis e meia da tarde, a noite começava a cair. No momento em que me vi no ponto do ônibus, percebi que um jovem claro, razoavelmente bem vestido e com um ar simpático caminhava em minha direção. Ao chegar perto, olhou para os lados depressa, e avançando para mim, arrancou-me a sacola e saiu correndo. Eu gritei, xinguei, chorei e até pensei em correr atrás, mas rápido como a ventania, o bandido saltou a mureta e misturou-se com as pessoas do outro lado da rua. Fiquei desesperada e chorei, chorei muito. Várias pessoas me ajudaram e uma policial, muito gentil, colocou-me no carro e trouxe-me aqui. Acho que foi só isso, doutor. Será que a Polícia recupera minha sacola? Ela é muito importante para mim!

- Como já disse, dona Margarida, acho que não é nada fácil. Mas diga lá. O que havia na sacola? Dinheiro? Sapato? Jóias? Não tenho o tempo todo e preciso de objetividade. O que havia assim tão importante nessa perda, professora?

- Nem dinheiro, nem jóias, nem sapatos, senhor delegado. Na sacola estavam meus livros e as provas de meus alunos. Não posso ficar sem isso. Já pensou no desapontamento deles? Se o senhor pegar o ladrão, não bata, não judie e se as provas e os livros forem devolvidos garanto que posso até dar um dinheirinho e se o coitado do ladrão precisar, darei até alguns conselhos. Sabe como é, seu Delegado. Eu sou uma professora...


Celso Antunes
Bacharel e licenciado em Geografia pela Universidade de São Paulo, Mestre em Ciências Humanas e Especialista em Inteligência e Cognição; Membro da Associação Internacional pelos Direitos da Criança Brincar (UNESCO); Embajador de la Educacion – Organización de Estados Americanos; colaborador emérito do Exército Brasileiro; sócio fundador do Todos pela Educação - Sociedade Civil que reúne lideranças sociais, representantes da iniciativa privada e educadores; autor de cerca de 180 livros e consultor de diversas revistas especializadas em Ensino e Aprendizagem; ministrou palestras e cursos em todos os estados do país, mais de 500 municípios; ministrou palestras e cursos na Argentina, Uruguai, Peru, México e outros países.
Email: celso@celsoantunes.com.br
Site: www.celsoantunes.com.br




Mais textos deste colunista:
Uma Professora de Belezas
Quem ama o feio... ou Darwin que disse
Se assim somos é porque assim imitamos
O cérebro e a sala de aula
Deficiência
Alienação
Cuidado! O nazismo pode estar voltando...
Um "ET" em minha sala (I) - O que aprender
A criança e o mundo dos números
Ensinar o que? II
Competências do Ensino Médio
Saber fazer é bom, saber porque fazer é mais...
Ser leitor
A disciplina em sala de aula
Olhar Empático do Mestre
Um sol que não tem tamanho
Um Programa Alternativo
Os Bichos e os Homens
Cérebro Adolescente
Por que ensinar valores?
Nesta escola não existe...
Bota a gente calça e calça a gente bota...
A Plástica e a Caminhada
Por que as crianças se estressam?
O Espaço Tenebroso
Dificuldade de Aprendizagem ou de Sensibilidade?

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 7.548.566 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.