Cidades precisam valorizar as micro e pequenas empresas e criar facilidades

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
José Milton Dallari
mdallari@decisaoconsultores.com.br
 

S√£o Paulo tem 645 munic√≠pios, mas apenas 189 deles j√° aprovaram a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, o equivalente a 29,3% das cidades paulistas. Em estados como Mato Grosso e Esp√≠rito Santo nada menos que 100% das cidades j√° aprovaram a lei e a colocaram em pr√°tica. O que isso significa para S√£o Paulo? Na pr√°tica, significa que a maior parte das cidades do estado mais rico e importante do pa√≠s n√£o oferece um tratamento diferenciado, simplificado e favorecido aos pequenos neg√≥cios. Em √ļltima inst√Ęncia, esses munic√≠pios onde a lei ainda n√£o foi regulamentada deixam de criar empregos.

No ano passado, por exemplo, foram criados cerca de 2,5 milh√Ķes de empregos no pa√≠s. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econ√īmica Aplicada (Ipea), √≥rg√£o do governo federal, de cada tr√™s novas vagas geradas, duas vieram de pequenas empresas. O setor de servi√ßos, onde se incluem atividades como inform√°tica, sal√Ķes de cabeleireiro ou aluguel de carros liderou a abertura de vagas. Muitas vagas s√£o informais, sem carteira assinada, √© verdade. Mas ainda assim, nos √ļltimos anos, os pequenos neg√≥cios t√™m sido o motor do emprego no pa√≠s. A experi√™ncia do SEBRAE-SP √© que as micro e pequenas empregam, em m√©dia, cinco pessoas. As Prefeituras podem e devem contribuir para reduzir a informalidade.

Para isso, √© urgente que essas cidades regulamentem a Lei Geral que prev√™ redu√ß√£o dos impostos e melhor oferta de cr√©dito aos pequenos empreendedores. Com a lei, os pequenos empreendedores tamb√©m ganham agilidade na hora de abrir sua empresa e formalizar o neg√≥cio. E a manicure que trabalha diariamente no sal√£o de beleza e recebe sal√°rio por semana, poder√° passar de ‚Äėtrabalhadora assalariada informal‚Äô para registrada com carteira de trabalho assinada.

O surgimento do programa de formaliza√ß√£o de pequenas empresas do governo em parceria com o Sebrae (Servi√ßo de Apoio √† Micro e Pequena Empresa) e o MEI (Microempreendedor Individual) s√£o iniciativas que ajudam o pequeno empreendedor. Mas os analistas do Ipea consideram que ainda h√° muito ainda por ser feito na compara√ß√£o com a√ß√Ķes governamentais j√° executadas por outros pa√≠ses no sentido de estimular os pequenos neg√≥cios.

Em São Paulo, por exemplo, temos espaço para a criação de um Poupatempo Empresarial. Seria exatamente como nos Poupatempos já existentes, em que o cidadão tira a cédula de identidade, a carteira de trabalho ou de motorista, tudo no mesmo lugar. No Poupatempo
Empresarial, ele poderia abrir sua empresa, ter orientação sobre impostos e até sobre o tipo de negócio em que vai atuar. Seria um ótimo espaço para que fossem oferecidos cursos e treinamento sobre diversas atividades e até mesmo orientação sobre tecnologias e exportação.

O ciclo virtuoso dos empregos tende a continuar este ano e nos pr√≥ximos com o aumento dos investimentos em obras de infraestrutura. S√£o oportunidades √ļnicas e os munic√≠pios n√£o podem deixar escapar essa chance de dar um salto neste cap√≠tulo. Todo mundo ganha, empreendedores e trabalhadores, com o crescimento da renda; as prefeituras e estados, com o aumento da arrecada√ß√£o; e os micro e pequenos empres√°rios, com menos custos e menos burocracia.

Jos√© Milton Dallari, ex-secret√°rio de Acompanhamento Econ√īmico do Minist√©rio da Fazenda, integrante da equipe que implantou o Plano Real. √Č s√≥cio da Decis√£o Consultores.


José Milton Dallari
Engenheiro, advogado e admistrador de empresas p√≥s-graduado em Economia e Direito Empresarial. √Č consultor de empresas e de institui√ß√Ķes p√ļblicas e privadas. Foi um dos formuladores do Plano Real, quando ficou conhecido como ‚Äėxerife dos pre√ßos‚Äô
Email: mdallari@decisaoconsultores.com.br
Site: http://decisaoconsultores.com.br




Mais textos deste colunista:
Virtual e real, juntos, aumentam vendas nos EUA
Sinal amarelo com falta de investimento industrial
Boas notícias para quem arregaça as mangas e produz
Unir educação à estratégia de desenvolvimento da cidade pode criar negócios e empregos
Brasil cresce, mas perde tecnologia

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 10.238.888 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.