Boas notícias para quem arregaça as mangas e produz

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
José Milton Dallari
mdallari@decisaoconsultores.com.br
 

Ser otimista com o cenário econômico do Brasil não é algo comum entre analistas. Tampouco é comum valorizar a força do nosso mercado interno para mitigar efeitos das crises internacionais. Talvez seja por isso que a queda do juro anunciada pelo Banco Central, muito esperada por quem produz, apesar de pequena (apenas 0,5 ponto percentual) tenha sido tão questionada.

Mas o fato é que agosto foi um mês de boas notícias para quem produz. A primeira foi o anúncio da ampliação em 50% do teto de faturamento das micro e pequenas empresas que se enquadram no Simples Nacional. Para as microempresas, o limite de faturamento anual passou de R$ 180 mil para R$ 210 mil. Para as pequenas, de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões. Além disso, quem está enquadrado no Simples Nacional poderá parcelar em até 60 meses da dívida tributária, o que permitirá a regularização da situação com o Fisco, abrindo portas para a participação em licitações públicas.

Também quem quer sair da informalidade e emitir sua própria nota fiscal foi beneficiado. Até agora, para ter os benefícios do Empreendedor Individual era preciso faturar no máximo R$ 36 mil por ano, ou R$ 3 mil por mês. Agora, esse valor passará para R$ 60 mil, o que permite regularizar a situação de quem ganha trabalhando sozinho, ou com apenas um funcionário, até R$ 5 mil mensais. O pacotão de medidas inclui ainda uma redução de 11% para 5% da alíquota paga pelo microempreendedor individual sobre o piso do salário de contribuição para a Previdência Social.

Pouca gente sabe a força que tem este setor da economia, de gente que arregaça as mangas para ganhar a vida por conta própria. Na maioria das cidades, são esses pequenos negócios que garantem 95% dos empregos.

Estima-se que 12 milhões de brasileiros mantêm negócios próprios informais, 4 milhões deles apenas em São Paulo. Esse universo de empreendedores já é responsável por 20% de toda a riqueza produzida no Brasil. Só de janeiro a julho, os pequenos negócios geraram um milhão de novos empregos.

Estimular e garantir que as micro e pequenas empresas cresçam é a melhor saída para fortalecer a nossa economia. Não podemos nos esquecer que as grandes empresas, em maioria, são multinacionais e que boa parte do lucro gerado por elas no nosso mercado migra para o país de origem na forma de remessas de lucros e dividendos e royalties.

O dinheiro das micro e pequenas empresas fica no Brasil e movimenta o nosso próprio comércio - um mercado consumidor de cerca de 190 milhões de pessoas onde pelo menos 16 milhões delas ainda precisam sair da linha da miséria e se tornar compradoras.

Poucos países do mundo têm esse potencial de consumo e não é à toa que sempre fomos cobiçados pelas grandes potências, seja Estados Unidos, Alemanha, Japão ou a recém-chegada China.

Ao reduzir o juro, o governo garante a produção, mantém os empregos e dá chance para aumentar o consumo, ativando a economia interna e evitando que o bom desempenho do país dependa exclusivamente das exportações.

No capítulo juro, outra boa novidade saindo do forno é o dinheiro mais barato para capital de giro de empresas que faturam até R$ 120 mil por ano. Os juros do ‘microcrédito produtivo’ cairão de 60% para 8% ao ano e a meta é que 730 mil microempreendedores usem até o fim do ano esse dinheiro, que será oferecido principalmente pelos bancos públicos.

Desta forma, é bem-vinda também a iniciativa de criação de uma Secretaria das Micro e Pequenas Empresas, que deverá somar esforços ao Sebrae (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) na busca por políticas públicas que facilitem a vida de quem quer trabalhar.



José Milton Dallari
Engenheiro, advogado e admistrador de empresas pós-graduado em Economia e Direito Empresarial. É consultor de empresas e de instituições públicas e privadas. Foi um dos formuladores do Plano Real, quando ficou conhecido como ‘xerife dos preços’
Email: mdallari@decisaoconsultores.com.br
Site: http://decisaoconsultores.com.br




Mais textos deste colunista:
Virtual e real, juntos, aumentam vendas nos EUA
Sinal amarelo com falta de investimento industrial
Cidades precisam valorizar as micro e pequenas empresas e criar facilidades
Unir educação à estratégia de desenvolvimento da cidade pode criar negócios e empregos
Brasil cresce, mas perde tecnologia

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 10.238.864 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.