A Plástica e a Caminhada

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
 

Dona Wânia não gosta de aparentar a idade que tem e por isso está de parabéns. Em sua luta tirânica contra as rugas e contra a gravidade, vive “antenada” em todas as novidades que aparecem. Fala-se em botox e lá está ela querendo saber o custo e os riscos, menciona-se fios de ouro e lá vai ela tornar-se perita no assunto. Os resultados podem não ser esplendorosos e Wânia em nenhuma circunstância passa por garotinha de vinte e poucos anos, mas seu rosto se não exibe a pele de pêssego que gostaria, esconde com dignidade os anos que acumulou.

Seu marido, o Stéfano, também não gosta de aparentar a idade que tem. “Não por vaidade”, segundo afirma, “mas para não aparentar diante dos alunos a falta de energia que tempos atrás sobrava”. Sua luta, entretanto, é diferente da de Wânia e se mantém-se distante de dermatologistas e cirurgiões plásticos, busca toda manhã “malhar” como conta-gotas na esteira e nas bicicletas ergométricas. Mesmo quando acorda cansado e com os músculos solicitando a doce trégua do repouso, cerra os dentes e faz sua caminhada, finge força e malha para valer. Wânia e Stéfano possuem objetivos análogos, mas buscam alternativas diferentes. A esposa acha que as tentativas do marido são maluquices e coisa de “velho doido”, o esposo por sua vez, que financia as plásticas, acha que o caminho buscado pela mulher “é apenas exterior” e reclama sua companhia nas atividades aeróbicas.

Assim como Wânia e como Stéfano existem muitos professores preocupados em se modernizar e não ministrar hoje, aula como o faziam a vinte anos atrás. Sabem que o tempo mudou, que o construtivismo chegou que as competências são faladas em toda parte e não desejam serem vistos pelos alunos e pelos pares como professores do passado, que pensam que ministram aulas para alunos que já não existem mais. Mas, tal como Wânia e como Stéfano, esses professores trilham caminhos diferentes.

Alguns enfeitam suas aulas com “plásticas”, modernizam sua conduta apenas por fora. Adotam um novo método aqui, substituem por outro ali, encantam-se hoje com Freinet amanhã com Piaget, exploram Gardner e discutem Perrenoud, mas no íntimo ainda acreditam que não pode existir aprendizagem sem “silêncio sepulcral” e que os saberes lhes pertence, entrando na cabeça dos alunos tal como “água mole em pedra dura”... Suas aulas e suas provas, ainda que enfeitadas com recursos da multimídia, exigem memorização disfarçada e somente acreditam que seus alunos efetivamente apreenderam quando puderem reproduzir suas lições da forma como as enviaram. Sua ação possuem cara de modernidade e suas estratégias, tal como o botox, esconde as rugas mas não oculta a verdade do envelhecimentos.

Outros professores já preferem ser como Stéfano. Não se incomodam com a aparência e nem mesmo se ofendem quando são citados como dinossauros. Sabem, entretanto, que por suas aulas se escoram em uma aprendizagem efetivamente construída e suas interrogações levam sempre seus alunos em busca de significações. Alternam formas de aula pois sabem que circunstâncias diferentes exigem ferramentas desiguais e suas provas, ainda que com aparência antiga, interrogam e conduzem os alunos a analisar, sintetizar, descobrir, criar enfim, efetivamente, pensar.

É certo que em nosso ensino não existam apenas Wânias e Stéfanos, mas é evidente que existem bem mais Wânias que Stéfanos. Afinal nada é mais confortável repousar em berço esplêndido com rodelas de pepinos sobre os olhos que a árduo combate contra a esteira ou contra os morros nas dolorosas mas sempre eficientes caminhadas.


Celso Antunes
Bacharel e licenciado em Geografia pela Universidade de São Paulo, Mestre em Ciências Humanas e Especialista em Inteligência e Cognição; Membro da Associação Internacional pelos Direitos da Criança Brincar (UNESCO); Embajador de la Educacion – Organización de Estados Americanos; colaborador emérito do Exército Brasileiro; sócio fundador do Todos pela Educação - Sociedade Civil que reúne lideranças sociais, representantes da iniciativa privada e educadores; autor de cerca de 180 livros e consultor de diversas revistas especializadas em Ensino e Aprendizagem; ministrou palestras e cursos em todos os estados do país, mais de 500 municípios; ministrou palestras e cursos na Argentina, Uruguai, Peru, México e outros países.
Email: celso@celsoantunes.com.br
Site: www.celsoantunes.com.br




Mais textos deste colunista:
Uma Professora de Belezas
Quem ama o feio... ou Darwin que disse
Se assim somos é porque assim imitamos
O cérebro e a sala de aula
Deficiência
Alienação
Cuidado! O nazismo pode estar voltando...
Um "ET" em minha sala (I) - O que aprender
A criança e o mundo dos números
Ensinar o que? II
Competências do Ensino Médio
Saber fazer é bom, saber porque fazer é mais...
Ser leitor
A disciplina em sala de aula
Margarida
Olhar Empático do Mestre
Um sol que não tem tamanho
Um Programa Alternativo
Os Bichos e os Homens
Cérebro Adolescente
Por que ensinar valores?
Nesta escola não existe...
Bota a gente calça e calça a gente bota...
Por que as crianças se estressam?
O Espaço Tenebroso
Dificuldade de Aprendizagem ou de Sensibilidade?

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 7.548.564 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.