O fim do casamento

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
Maria Regina Canhos Vicentin
contato@mariaregina.com.br
 

De uns tempos para cá a igreja católica vem dando especial atenção aos casais em segunda união. O número de separações cresceu muito, evidenciando que as pessoas encontram dificuldade em manter um relacionamento que perdure no tempo. As causas para isso são inúmeras, e acho complicado julgar quem quer que seja; tendo em vista que somente os envolvidos conseguem avaliar exatamente como se sentem em relação à situação conjugal, de que forma são tratados, e o quanto isso contribui para o crescimento mútuo ou para o empobrecimento da autoestima, surgimento da depressão ou outros transtornos de ordem psicológica e emocional.

A cada fase do relacionamento afetivo temos desafios a enfrentar. Quando se é jovem, talvez uma das coisas mais difíceis seja romper os laços com a família anterior e sua influência, assumindo a vida de casados: “o homem deixa pai e mãe e se une à sua mulher” (Gn 2, 24a). As primeiras adaptações são dolorosas porque cada qual tem o seu costume; foram criados em famílias diferentes, com prioridades diversas. Passam a assumir muitas responsabilidades que aumentam cada vez mais, principalmente após o nascimento dos filhos. Vai se delineando a forma como o casal preferencialmente se relaciona. Alguns “entre tapas e beijos”, outros “cedendo sempre”, muitos “abrindo mão de seus gostos e desejos”. Aquele amor, aquela paixão inicial, vai dando lugar à acomodação. Passamos para outra fase do relacionamento.

Vencidos os desafios iniciais, no momento em que se encontram aparentemente estabilizados, os filhos crescidos, a vida mais organizada; percebem que já não são marido e mulher há muito tempo. Viraram irmãos, mãe e filho, pai e filha, parentes. O calor que existia no início e aquecia as noites frias não existe mais. Existe apenas uma companhia (nem sempre agradável) que nos recorda sermos casados.

Às vezes, a constatação dessa mudança, por incrível que pareça, é unilateral. Alguém está muito bem; comodamente desfrutando das benesses que acabou angariando com a estruturação do modelo conjugal adotado pelo casal ao longo dos anos. Enquanto isso, alguém está muito mal; sofrendo com a condição que acabou lhe sendo imposta pelo desgaste da relação a dois. Ora, algo precisa ser feito para que não aconteça o pior e sobrevenha a ruptura.

Mas, e quando a voz de um não é ouvida pelo outro? Quando a irritação, a depressão e o abandono não são percebidos? Quando os sinais do desgaste não são notados porque está bom demais para um e ruim demais para o outro? Aí, infelizmente, é o fim do casamento. E não adianta prantear querendo ressuscitar algo que se foi. Não queira julgar ou arrumar culpados para um problema que nasceu no seio de um arranjo conjugal mal sucedido. Não dá para manter um relacionamento em que apenas uma das partes vive com satisfação. Isso pode até acontecer, mas já não é matrimônio. Assemelha-se mais à prisão ou manicômio. Quem quiser preservar seu casamento mantenha os olhos e ouvidos bem abertos, a sua conduta flexível e o seu coração apaixonado.


Maria Regina Canhos Vicentin
Natural de Jaú/SP. Formou-se em Psicologia pela USP de Ribeirão Preto e em Direito pela Instituição Toledo de Ensino de Bauru. Especializou-se em Educação pela Faculdade Claretianas de Batatais. Psicóloga Judiciária no Fórum da Comarca de Jaú. Profissional Especialista em Psicologia Clínica e em Psicologia Jurídica.Autora dos livros: Buscando a Felicidade (Ed.Celebris), Sementes de Esperança (Ed.Santuário), Temas do Cotidiano (Ed.Santuário), e Superdicas para ser feliz no amor (Ed.Celebris). Agente de Pastoral da Evangelização da Paróquia de São João Batista em Jaú (SP) escreve regularmente para diversos jornais; entre eles, Folha da Região (Araçatuba – SP) e O Lutador (Belo Horizonte – MG), além da Revista O Mensageiro de Santo Antônio (Santo André – SP), e Família Cristã Online (São Paulo – SP).
Email: contato@mariaregina.com.br
Site: www.mariaregina.com.br




Mais textos deste colunista:
Tolerar; até quando?
Sofrimento: prova de Deus ou armadilha do diabo?
A alegria e o prazer
O tempo de Deus
A mudança que dói
Dia Internacional da Mulher
Proteção de Deus
O mal versus o bem
Adeus ano velho, feliz ano novo
Nasce uma esperança
Eu sinto isso
Aumento dos casos de estupros no Brasil
Finados
Criança – Sujeito de direitos
Relacionamentos que fazem sofrer
O sucesso
Quando um amor se vai...
A onda de violência
Mude o Brasil, mas comece por você!
Dia dos namorados
A dura carga da mulher
Mulher-Mãe
A importância da autoestima
Pais que exigem demais
Um dia de prostração
A intolerância
Páscoa
Em nome do amor
Os grandes golpes da vida
A mulher e suas muitas faces
Família
O papa coragem
A importância de viver cada dia
Trabalho infantil
Prestígio
Maternidade tardia
Mudança de olhar
Feliz Natal!
Preparai o caminho...
O que é o livre-arbítrio?
A pregação da Palavra
Doutrinas
Escrevendo sobre o óbvio
A afeição dos animais
Quinze anos
Quaresma – Tempo de mudança
Presente de aniversário
O sexo pelo sexo
A era das pseudoatitudes
Correndo contra o tempo
Uma reflexão sobre o relato de Viktor Frankl
Um grande amor
Lei da palmada
Conto de Natal*
Abaixo o isolamento
A difícil arte de relacionar-se
A necessidade de valorização e reconhecimento
Autoestima e limites
Dia dos professores
Sem explicação
Luz na Prisão
Sonhos nem sempre são como parecem
O excesso é ruim
Oito ou oitenta
O necessário preparo
O ciclo da vida
O mito da felicidade
O ciúme
Namorados: amai-vos
O direito de discordar
Azedo x Doce
Vinde Espírito Santo
Abaixo o Kit Gay
Paixão de Cristo
A idade aprimora ou piora
A criação geme em dores de parto
Mulheres
Mais um carnaval
Capacitar-se é preciso
Será que estamos sendo roubados?
Pensamentos tormentosos
Editora Santuário – 110 anos escrevendo e fazendo história!
O segredo é soltar devagar
Pecador tem jeito
Agradecimentos
Logo é Natal
Faça a sua parte
Quarenta e cinco anos
Deus sabe
Crise de autoridade
O amor precisa ser cultivado
O transtorno de deficit de atenção e hiperatividade e os superdiagnósticos
Arrogância x humildade
Adultos mimados
Belas palavras
A porta estreita
Família - Formadora de valores humanos e cristãos
Buscando um nome - encontrou um pai
Ainda não foi desta vez
Amizade
Somos especiais
A oração e o livramento
Autocomiseração
A complexidade que exclui
A vida mutilada
Adeus professora
Violência sexual face à crianças
A dor da decepção
Mamãe - superlativo da palavra amor!
Mãe
Quem segura o leme da “Barca de Pedro”?
Agradecer faz parte
Estações da vida
Páscoa - Amor incondicional
Arrependimento e perdão
Frustração no relacionamento entre pais e filhos
Saudade
Mulher
Espiritualidade da Quaresma – A Lição do Cata-Vento
Pai amigo
Preparação para o casamento
Máscaras
Postura faz diferença
Palavras
Filhos usam drogas porque os pais tomam remédios?
Zilda Arns: A vida de uma guerreira
Delicadeza x grosseria

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 7.330.404 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.