O trabalho, o futebol e a motivação

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
Maurício Góis
contato@mauriciogois.com.br
 

Conhe√ßa 14 raz√Ķes porque, ao observar um jogo, voc√™ pode atingir a iniciativa produtiva e o impulso realizador.


Voc√™ j√° parou para pensar porque o ato de trabalhar pode ser desmotivador e, por outro lado, o futebol √© altamente entusiasmador? Por que a maioria das pessoas vai ao trabalho com raiva e, aos est√°dios, com intensa euforia? O que o futebol nos ensina sobre motiva√ß√£o e que pode aumentar nossos resultados? Vejamos 14 raz√Ķes b√°sicas.

1. O futebol é motivador porque é você mesmo quem controla a bola; o trabalho é desmotivador porque a bola já vem controlada para você. O que aprender com isso? Ora, se você é gerente inspire e desenvolva em seu pessoal o autocontrole, mas antes, a autodisciplina e o auto-governo, sem os quais o autocontrole só funcionará teoricamente.

2. No futebol voc√™ cria os dribles e escolhe o melhor √Ęngulo para chutar; no trabalho desmotivador voc√™ √© proibido de criar, n√£o pode driblar porque sua posi√ß√£o √© fixa e o melhor √Ęngulo para chutar √© aquele que o chefe disse que √© bom. O que isso nos ensina? Explique ao seu profissional o que fazer. O como fazer √© decis√£o da maturidade dele. Que voc√™ localizou, desenvolveu ou ampliou.

3. No futebol voc√™ passa a bola para quem voc√™ entende estar melhor colocado; no trabalho voc√™ somente passa a bola dos objetivos para quem lhe disseram que est√° melhor posicionado. O que tem a ver com vendas? Um gerente vencedor ensina que √© saud√°vel errar, mas sempre um segundo erro. E que quem n√£o decide, decide n√£o decidir que a pior decis√£o. M√©todos de tomadas decis√Ķes s√£o chaves p√≥s-modernas para o crescimento em vendas. Infelizmente, as empresas entenderam que isso √© s√≥ para a alta diretoria.

4. No jogo voc√™ desarma e arma, defende e ataca; no trabalho desmotivador voc√™ s√≥ se arma e se defende. Aplique o melhor do jogo no trabalho: andar mais uma milha, fazer mais que a obriga√ß√£o e assumir responsabilidades s√£o as tr√™s a√ß√Ķes que fazem crescer em todas as dire√ß√Ķes no jogo da exist√™ncia. Um profissional de vendas, desarma obje√ß√Ķes, arma argumentos, ataca o fechamento com benef√≠cios e se defende do des√Ęnimo. √Č um jogador.

5. No futebol quando o seu time ganha voc√™ √© o vencedor com eles; no trabalho desmotivador quando o time ganha voc√™ √© apenas uma ‚Äúpe√ßa importante‚ÄĚ deles. A empresa se torna vencedora quando transforma grupos em times, pessoas em equipes e cria a consci√™ncia de unidade que leva √† vit√≥ria. Na Copa de 2006 o Brasil tinha craques isolados, a It√°lia era um time de jogadores, n√£o de craques. N√£o preciso contar qual foi o resultado.

6. No futebol a torcida vibra com você; no trabalho desmotivador você fica contorcido sem vibrar. Jogo de palavras? Não, um bom marketing de incentivo dispara a iniciativa produtiva, elimina o estresse, transforma suor em ouro como diria o Bernardinho e traz a taça.

7. No futebol você comemora o gol do companheiro e aplaude as boas jogadas da equipe; no trabalho desmotivador você não é programado para comemorar o sucesso dos outros. Pense assim, agora: se você não tem um sistema em que um trabalhador comemora o sucesso de seu companheiro, então, você não é um líder de equipes e sim um gerente de conflitos, você é reativo, isto é, aquele que passa a maior parte de seu tempo reagindo a problemas e não explorando as oportunidades que chegam do futuro.

8. No futebol voc√™ mata a bola no peito; j√° o trabalho desmotivador mata o seu peito sem bola. Seguir processos rotineiros e ritual√≠sticos de trabalho √© certo, mas sufoca, se a empresa n√£o der op√ß√Ķes criativas para o pessoal canalizar a for√ßa da inova√ß√£o.

9. No jogo voc√™ √© sempre respons√°vel pelo placar; no trabalho desmotivador voc√™ s√≥ √© respons√°vel quando perde. Mude sua forma de pensar. Se um vendedor n√£o est√° vendendo a op√ß√£o de mand√°-lo embora √© a √ļltima. A melhor coisa a fazer √© dialogar profundamente, √© voc√™ sair com seu profissional para corrigir processos e acertar este seu ser humano enquanto trabalhador. Corrija processos e acerte as pessoas, - j√° pregava o
velho Deming.

10. No jogo você corre dentro de sua posição; no trabalho desmotivador você só corre em busca de posição. E isso não é errado, desde que a corrida pela ascensão profissional seja acompanhada por um bom plano de carreira baseado em resultados centrados no capital intelectual, ética, comprometimento e resultados ganha-ganha.

11. No futebol, a equipe luta por um resultado comum: a √ļnica coisa que interessa √© bola na rede, √© o gol. No trabalho desmotivador o importante √© chegar na hora, bater ponto, sorrir para o chefe avisando que voc√™ est√° l√° na empresa e...o resultado? Bem, isso √© o que menos interessa. A burocracia √© inimiga do √™xito.. Para ganhar o jogo no mundo dos neg√≥cios √© preciso hoje ser ideocrata (voltado para as id√©ias) e clientocrata (voltado para o
cliente) e mercadocrata (voltado para o mercado) e infocrata (voltado para as informa√ß√Ķes).

12. No futebol, no intervalo de cada jogo, o pessoal senta para ouvir o t√©cnico dar instru√ß√Ķes, apontar sa√≠das, direcionar estrat√©gica e taticamente o time em dire√ß√£o √† vit√≥ria. No intervalo do jogo dos campe√Ķes descansa-se o corpo, mas a mente trabalha duro se preparando para a vit√≥ria. J√° no trabalho desmotivador o intervalo √© a hora de enrolar e cozinhar o galo, afinal, ningu√©m √© de ferro. Ora, a empresa que n√£o sofrer√° o tsunami das
novas mudan√ßas √© aquela em que d√° folga para seu pessoal para recarregar energias, recompor a√ß√Ķes t√°ticas, rever conhecimentos, habilidades e atitudes e redirecionar todos em dire√ß√£o a novos h√°bitos vencedores. Sem isso vale a velha frase: louco √© quem faz sempre as mesmas coisas esperando um resultado diferente.

13. No futebol vencedor o t√©cnico faz os jogadores assistirem v√≠deos e comenta as jogadas do pr√≥ximo advers√°rio e como fazer para neutraliz√°-las. No trabalho desmotivador ningu√©m est√° preocupado com as jogadas da concorr√™ncia, nem com os movimentos t√°ticos que os outros competidores far√£o no mercado, pois entendem que o importante √© apenas ser um n√ļmero a mais dentro do campo. Um l√≠der hoje √© tamb√©m um general e seus profissionais s√£o guerreiros que seguem t√°ticas militares, pois afinal a batalha √© pela mente
do cliente como diziam All Ries e Jack Trout. Se toda compra implica numa rejeição (exemplo: quem comprou a Coca rejeitou a Pepsi), então vale a pergunta: o rejeitado é você?

14. No futebol vitorioso o técnico excelente abraça os jogadores, muitas vezes se envolve até com os problemas particulares deles e ajuda e aconselha e incentiva e apóia psicologicamente. No trabalho desmotivador, o empregado tem que entender que não deve misturar as coisas: trabalho é trabalho e problemas particulares devem ficar lá fora da empresa. Pense como um técnico de craques: uma empresa deve saber que seus
funcionários são indivíduos e, como o próprio nome o diz, é o que não se divide.

Por apenas esses 14 motivos básicos, o jogo é gratificante, o trabalho é maçante.

Mas se voc√™ faz o que gosta, ou acredita no que faz, se trabalha para superar metas que voc√™ mesmo ajudou a planejar, se est√° comprometido, se trabalha respeitando suas intelig√™ncias m√ļltiplas, se tem em vista sua miss√£o e n√£o a comiss√£o, se n√£o perdeu o foco, se a busca pela qualidade √© sua filosofia de vida, ent√£o, voc√™ faz de seu trabalho sua fonte maior de automotiva√ß√£o.

Enfim, o trabalho só será motivador, competitivo e produtivo se você se envolver no DESAFIO e nas EXPECTATIVAS de um CAMPO ABERTO do Jogo Empresarial.

Agora pare de ler este artigo, calce as chuteiras de sua organização, vista a camisa do cliente, o calção da ousadia, a meia da excelência e BOLA NA REDE.


Maurício Góis
Consultor filiado ao IBCO ‚Äď Instituto Brasileiro de Consultores de Organiza√ß√£o desde 1983.
Ficou conhecido nacionalmente como autor da obra ‚ÄúChefia e Lideran√ßa‚ÄĚ da IOB-INFORMA√á√ēES OBJETIVAS, um best seller na √°rea por quase uma d√©cada.

Email: contato@mauriciogois.com.br
Site: www.mauriciogois.com.br




Mais textos deste colunista:
Minhas 15 "profecias" sobre globalização e outros bichos
Tomada de Decis√£o: 101 perguntas que resolvem qualquer problema
Os órfãos da auto-ajuda
Os h√°bitos inteligentes que constroem um vencedor
Os melhores exercícios de dicção para você ter um melhor desempenho profissional
Os mortos e os vivos no planeta dos negócios
Os nocautes da pessoa eficaz
Os Onze Mitos sobre o Planejamento do Tempo dos Líderes
Os quatro gritos do cliente silencioso
Os Seis Lados da Verdade
Os Vinte Bandidos da Venda
Para que você existe?
Pare de engolir sapos... e venda
Parem de falar mal da AIDA
Porque Pelé seria um bom vendedor
Senso de Humor em Vendas
Sete maneiras de comprometer sua equipe
Tese, Antitese e Síntese
Tornar-se Mais Inovador
Você está vivo? Então você é cliente de funerária!
Abaixo a √Āguia, Viva a Galinha
O Marketing dos Medíocres
Como abrir clientes fechados
O Titanic das Vendas
O Telemarketing do Conde Dr√°cula
Copa 1998: O que realmente aconteceu no jogo Brasil e França
O que é dar descontos na Era da Descontomania
O que é comprometimento?
O que ainda n√£o lhe contaram sobre atendimento
Marketing para Pessoas Empreendedoras
As três piores frases do mundo (para os que querem vencer)

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 7.437.597 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.