Os h√°bitos inteligentes que constroem um vencedor
Por que algumas pessoas conseguem chegar aonde planejam, enquanto outras passam a vida toda apenas tentando?
Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
Maurício Góis
contato@mauriciogois.com.br
 

Voc√™ sabe quais s√£o os h√°bitos inteligentes que podem empurrar uma pessoa para o abismo do fracasso ou para as alturas do sucesso? S√£o os mesmos h√°bitos que separam as pessoas comuns das incomuns, as reativas das proativas e as bolas-murchas das estrelas da alta performance. Acredite: n√£o √© uma quest√£o de talento e, sim, de planejar e desenvolver h√°bitos inteligentes. Este √© um novo conceito: para os perdedores h√°bitos s√£o repeti√ß√Ķes instintivas e freq√ľentes de um ato. J√° os vencedores escolhem que h√°bitos adotar e largar.

Pessoas vencedoras automatizam a√ß√Ķes s√°bias que atraem resultados. Vejamos alguns h√°bitos in√©ditos e, portanto, muito diferentes daqueles convencionais:

1. O h√°bito de andar com balde, n√£o com colherzinha.
O rio da prosperidade e da oportunidade é o mesmo. Pelo menos uma vez na vida ele passará ao lado de cada pessoa. Mas quando ele passar encontrará alguns com um balde na mão e outros com uma pequena colher. O que faz uma pessoa crescer são os instrumentos e ferramentas da busca pela superação e a constante luta contra o hábito de reclamar. O rio é o mesmo, mas quem lucra mais: quem tem colher ou balde? Talvez você diga que esse rio é injusto, pois uma família rica terá um balde e os miseráveis nem colherzinha terão. Mas, enquanto você continua pensando assim, muitos ricos estão transformando seus baldes em colherzinhas e muitos pobres colherzinhas em baldes. A excelência é discriminadora. Ela discrimina os pobres de espírito.

2. O hábito de levar na pasta de trabalho as 8 espadas da vitória.
Para vencer dificuldades e incertezas a pessoa excel√™ncia tem o h√°bito de s√≥ sair de casa munida de 8 espadas essenciais que s√£o as 8 perguntinhas provocadoras da compet√™ncia pessoal e profissional, a saber: O que, Por que, Onde, Como, Quando, Quem, Quanto e Qual. Comece pelo h√°bito do planejamento anual, mensal e semanal: O que eu quero? Por que eu quero? Como eu quero? Quando eu quero? Quanto eu quero? Para quem eu quero? Repense tudo de novo, desta vez colocando ‚Äún√£o‚ÄĚ: Por que eu n√£o quero? E assim por diante. Recomece, agora, mudando os verbos. O que eu preciso? Por que eu desejo? O que eu devo fazer? Por que eu devo fazer? Como eu devo fazer? O que perguntar? Para quem perguntar? O que mudar? Quando mudar? Quais estrat√©gias e recursos usar? Quer vencer a guerra das frustra√ß√Ķes e rejei√ß√Ķes de seu dia-a-dia? √Č simples: desembainhe essas 8 espadas e destrua o h√°bito ruim de n√£o prospeccionar sua vida e sua venda..

3. O h√°bito de semear reconhecimento com genialidade e humildade.
J√° pensou em ser o publicit√°rio do s√©culo? Pois este √© um t√≠tulo que ningu√©m tirar√° de Washington Olivetto. Um dia, numa entrevista, um rep√≥rter perguntou: ‚ÄúQuem, em sua opini√£o, √© o melhor publicit√°rio do Brasil?‚ÄĚ Ele respondeu: ‚ÄúSegundo uma por√ß√£o de gente sou eu, mas, segundo eu, √© uma por√ß√£o de gente‚ÄĚ. Quando, h√° tempos, foi libertado de seu cub√≠culo, ap√≥s ser seq√ľestrado, ele abra√ßou euforicamente todos os policiais. Durante o cativeiro, escreveu o nome de pessoas queridas nos tijolos da parede onde estava. As pessoas excelentes acostumam sua mente e cora√ß√£o para orbitar no universo f√≠sico, mental, social, emocional e espiritual dos outros. Quem mant√©m o h√°bito inteligente de distribuir afetos j√° √© um vencedor em potencial.

4.O h√°bito de fazer e influenciar parcerias.
Um dia Abrahan Lincoln disse para seus cabos eleitorais: - Quando eu me tornar presidente vou acabar com meus inimigos. - Calma, para que tanta viol√™ncia? ‚Äď indagaram todos os que estavam a seu redor. A que Lincoln finalizou: - Viol√™ncia! Que viol√™ncia? √Č que eu vou transform√°-los todos em meus amigos. Capacidade para chegar ao topo n√£o √© um atributo pessoal isolado. √Č o seu talento de agregar gente aliada. Se voc√™ n√£o tiver o h√°bito atrair, cadastrar e amar pessoas, - desista de viver e de vender.

5. O h√°bito de ficar curioso tecnicamente.
Você ainda continua aborrecido? Pois invente os cotonetes. Bem, foi exatamente isso que o cérebro de Leo Gerstenzang pensou quando ele ficou furioso ao ver sua esposa tirando sujeiras das orelhas de seu nenê, usando algodão na ponta de palitos de dentes. De novo pergunte hoje: de que maneira posso transformar meus aborrecimentos em criatividade e meus azedumes em inovação? Acabe agora com o hábito de ser convencional e repetitivo.

6. O hábito de olhar a zona de turbulência das mudanças como coisa natural.
N√£o diga que a onda ruim dos problemas vai passar. Claro que vai passar! E, depois dela passar, pode vir outra pior. H√° mudan√ßas que n√£o s√£o ruins. Mas os baluartes de quase toda estabilidade s√£o sempre jogados no ch√£o por causa de uma revolu√ß√£o inovadora emergente. J√° faz tempo que o Banco do Brasil era o ‚Äúempreg√£o‚ÄĚ pra toda vida e que trabalhar em uma multinacional era colocar o ‚Äúburro na sombra‚ÄĚ. Se para voc√™ o sonho da estabilidade ainda n√£o acabou, seu pesadelo j√° come√ßou. Para aceitar as mudan√ßas sem adoecer, reforce o h√°bito de investir imediatamente no que voc√™ ainda n√£o sabe.

7.O hábito de primeiro realizar o que é preciso fazer e, depois, o que se sabe fazer.
Há uma tendência generalizada de todos os problemas serem resolvidos pela ferramenta da habilidade pessoal e não pela necessidade da situação e do momento. Exemplo: se você é um especialista em treinamento há a tendência de você pensar que todo problema empresarial resolve-se reunindo as pessoas e fazendo discurso. Se você é uma pessoa de propaganda tenderá a pensar que tudo se resolve anunciando. Se for um expert em finanças poderá acreditar que todas as dificuldades se resolvem controlando o dinheiro. E mais: as pessoas costumam perder de vista os objetivos e se concentrar nas tarefas que melhor dominam. Elas gostam de procurar as oportunidades de demonstrar suas habilidades e exibir os instrumentos que melhor manejam. E esse comportamento estressa todo mundo, porque as pessoas focam seus dons e não os resultados. Como resolver isto? Desenvolva o
h√°bito ousado de dizer ‚Äún√£o sei ainda‚ÄĚ e procure ajuda de fora.

8. O hábito de se comparar com você mesmo, nunca com os outros.
Pessoas vencedoras sabem que o referencial do ato de vencer √© sempre elas mesmas, n√£o os outros. O que √© vencer? √Č ter a beleza daquela pessoa maravilhosa, o dinheiro do Silvio Santos, ou o talento do J√ī Soares? Vencer n√£o √© voc√™ superar os outros, √© voc√™ superar a si mesmo. N√£o adianta voc√™ querer bater os recordes dos outros, importante √© voc√™ vencer a cada dia os seus pr√≥prios recordes. Entenda: se voc√™ ganha dois mil reais por m√™s e, por causa de uma a√ß√£o estrat√©gica vencedora, passa a ganhar, no outro m√™s, quatro mil, voc√™ ganhou ‚Äúmais‚ÄĚ que o Bill Gates porque, provavelmente, ele n√£o dobrou o faturamento dele em um m√™s e voc√™ dobrou. Vencer √© voc√™ concorrer com voc√™ mesmo, n√£o com o mundo.

A Gillette soube disso e ganhou muitos pontos no mercado. H√° muito tempo que ela ‚Äúdestr√≥i‚ÄĚ alguns de seus produtos por causa de alguns outros melhores que s√£o lan√ßados. A filosofia da Gillete devia ser a de todos os candidatos a vencedores: Pratique a autocompeti√ß√£o, isto √©, fa√ßa concorr√™ncia com voc√™ mesmo, mas aja r√°pido antes de seus oponentes.

Bem, se voc√™ praticar diariamente estes 8 essenciais h√°bitos inteligentes voc√™ se destacar√° no meio da multid√£o e disparar√° na frente em busca da realiza√ß√£o de seu sonho. Afinal, quando se fala em planejar a√ß√Ķes vencedoras - o h√°bito faz o monge.


Maurício Góis
Consultor filiado ao IBCO ‚Äď Instituto Brasileiro de Consultores de Organiza√ß√£o desde 1983.
Ficou conhecido nacionalmente como autor da obra ‚ÄúChefia e Lideran√ßa‚ÄĚ da IOB-INFORMA√á√ēES OBJETIVAS, um best seller na √°rea por quase uma d√©cada.

Email: contato@mauriciogois.com.br
Site: www.mauriciogois.com.br




Mais textos deste colunista:
Minhas 15 "profecias" sobre globalização e outros bichos
Tomada de Decis√£o: 101 perguntas que resolvem qualquer problema
Os órfãos da auto-ajuda
Os melhores exercícios de dicção para você ter um melhor desempenho profissional
Os mortos e os vivos no planeta dos negócios
Os nocautes da pessoa eficaz
Os Onze Mitos sobre o Planejamento do Tempo dos Líderes
Os quatro gritos do cliente silencioso
Os Seis Lados da Verdade
Os Vinte Bandidos da Venda
Para que você existe?
Pare de engolir sapos... e venda
Parem de falar mal da AIDA
Porque Pelé seria um bom vendedor
Senso de Humor em Vendas
Sete maneiras de comprometer sua equipe
Tese, Antitese e Síntese
Tornar-se Mais Inovador
Você está vivo? Então você é cliente de funerária!
Abaixo a √Āguia, Viva a Galinha
O Marketing dos Medíocres
Como abrir clientes fechados
O trabalho, o futebol e a motivação
O Titanic das Vendas
O Telemarketing do Conde Dr√°cula
Copa 1998: O que realmente aconteceu no jogo Brasil e França
O que é dar descontos na Era da Descontomania
O que é comprometimento?
O que ainda n√£o lhe contaram sobre atendimento
Marketing para Pessoas Empreendedoras
As três piores frases do mundo (para os que querem vencer)

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 7.065.331 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.