Meus 10 anos

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
Aline Aparecida Rocha
alineaparecidarocha@hotmail.com
 

Certa vez, quando tinha dez anos, deparei-me com o mundo real. Os brinquedos estavam jogados e não recebiam mais nenhuma atenção. Era um mundo no qual eu jamais esperava viver. Onde, ao invés da paz, a violência se tornara algo visto, vivido e sentido.

Indignação era o que eu sentia. Aliás, era a única coisa que conseguia sentir. Eu já não sabia mais o que era ter um coração leve, puro e cheio de boas intenções. Mas mesmo com o mundo todo seguindo a mesma direção, algo me dizia para remar contra essa interminável tempestade. A maré era alta, as ondas eram fortes, o vento, que se fez meu amigo, era o único que me empurrava à frente.

Apesar de tantas contradições, cresci com a intenção de um dia poder rir de todo o meu passado. Meu tão vivido passado.

Me deparo com caminhos cruéis desde muito cedo. Aprendi a fazer escolhas, a dizer até breve, até logo, até amanhã e o mais doloroso, o adeus.

Aprendi a sentir a paz, a fé, o ódio, a raiva e o que mais consegue me sustentar, o amor. Duvidava quando me diziam que tudo acontece por alguma razão. E cá estou eu, pelas simples razões passadas que se tornaram presentes.

Então, logo vem o futuro me mostrar que a vida é um ciclo sem fim, no qual tudo pode acontecer de novo e de novo, e mesmo assim, não terei tanta experiência para conseguir de cara suportar.
Pode ser também que nada aconteça novamente, mas isso não quer dizer que tudo foi em vão e que nada ficou.

As marcas, por mais antigas que sejam, são sempre marcas, e aquilo que marca o coração, marca para sempre a memória.


Aline Aparecida Rocha
Escritora e estudante. Publicou seu primeiro livro em 2012, titulado como "Gritos de Fé". Fez cursos de Informática, Hotelaria, Turismo, Marketing, Eventos, Gestão em Meio Ambiente e Administração de Empresas.
Email: alineaparecidarocha@hotmail.com
Site: www.facebook.com/FrasesAlineRocha




Mais textos deste colunista:
Medos:
A vida corre:
Ânimo versus desânimo:
A vida muda:
Feliz Ano Novo:
Terça-feira:
Caio mas no chão não fico:
Chove aqui:
Os fortes também desistem:
A razão da felicidade:
Não ouse desistir:
O amor que não se afoga:
A menininha cresceu:
Faça o melhor pra você:
Somos tudo. Ou nada:
Basta-me:
Saudade
Nada, nunca, foi em vão:
O amor é sempre mais:
Aprender
Sonhos e só
Palavras que não saem
Vivendo na contradição
O desejo do meu eu
O viver

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 7.165.219 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.