O bem contra o mal (parte 2)
O inimigo se disfarça na batalha invisível
Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
Vlaj Lindemuth
vlajmuth@hotmail.com
 

Como dissemos no artigo anterior, o inimigo do nosso Pai, que também é nosso inimigo, está o tempo todo criando armadilhas para nos afastar de Deus e nos fazer cair. E, se possível, nos levar a um caminho sem volta, ou seja, uma destruição total.

Muitos podem estar pensando que estou sendo dramático e exagerando nas palavras, mas a verdade é que este assunto é muito mais sério do que imaginamos, pois se trata do destino de nossas vidas e das pessoas que tanto amamos. Portanto, espero que os queridos leitores parem e reflitam em tudo o que estamos estudando através destes artigos para que possamos juntos crescer mais e fazermos a vontade do Pai para o nosso próprio bem, para que erremos menos e paremos de quebrar a cara. Quem quiser participar com suas opiniões ou sugestões, basta utilizar o espaço abaixo do texto para comentar o artigo.

Sendo um tanto redundante, proponho que “iniciemos do começo” da história do nosso mundo. Como já dissemos, depois que Deus criou o homem e a mulher, Ele viu que tudo era “muito bom” (Gênesis 1:26-31).

Deus criou primeiro o homem e o colocou no jardim do Éden e lhe deu a ordem de que poderia comer livremente de toda árvore do jardim, exceto o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Estava começando a primeira lição à humanidade, que mesmo no paraíso perfeito, recém-criado, novinho, deveria haver regras e que as regras servem para serem obedecidas, para haver harmonia entre a criação.

Será que era difícil obedecer este único pedido de Deus? Ele havia criado um mundo perfeito e dado de presente ao homem, o qual tinha liberdade para aproveitar de tudo, comer de tudo. A bíblia diz que tamanho era o domínio que o homem tinha sobre o mundo que ele mesmo deu os nomes aos animais. “Deu nome o homem a todos os animais domésticos, às aves dos céus e a todos os animais selváticos; para o homem, todavia, não se achava uma auxiliadora que lhe fosse idônia. Então, o Senhor Deus fez cair pesado sono sobre o homem, e este adormeceu; tomou uma das suas costelas e fechou o lugar com carne. E a costela que o Senhor Deus tomara ao homem, transformou-a numa mulher e lha trouxe. E disse o homem: Esta, afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne; chamar-se-á varoa, porquanto do varão foi tomada. Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne. Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus e não se envergonhavam.” (Gen. 2:20-25)

Imaginemos que momento maravilhoso da história humana. Agora o homem já não estava sozinho, ele tinha uma companheira, como diz a bíblia, “uma auxiliadora”. Ambos tinham o mundo inteiro à sua disposição, um lindo jardim. Podemos imaginar uma linda fazenda, com as mais lindas plantas, toda gramada, repleta de árvores frutíferas e floridas, dos mais variados gostos e cores. Animais domésticos e selváticos soltos pelo jardim, sem oferecer quaisquer perigos. As aves voando nos céus, das mais variadas espécies. Ah, que natureza linda, perfeita, um verdadeiro paraíso. Imagino que esta árvore proibida era apenas um pontinho preto num quadro enorme e tão bonito. Mas este insignificante pontinho preto foi capaz de sujar toda a maravilhosa obra de Deus.

Já ouvi algumas pessoas falarem que estamos errados ao culpar o diabo pelos erros que cometemos. Mas já pararam para pensar que o pecado só existe porque este inimigo o introduziu em nosso mundo? Retomando o pensamento, o inimigo viu a oportunidade que ele tinha de estragar o que Deus havia feito, que era tão lindo e perfeito. Você já conheceu pessoas assim? Que não podem ver alguém feliz que faz de tudo para atrapalhar e acabar com a felicidade do outro? Que parece que só fica feliz se ver que o outro está triste ou infeliz. Assim é o diabo, inimigo de Deus e nosso por tabela. E não há nada mais triste para um pai do que ver o sofrimento e a dor de seu filho.

Assim aconteceu, a história todos já conhecem. Satanás falou com Eva disfarçado numa linda serpente. Como assim linda serpente? Cobra pode ser bonita? A bíblia diz em Gênesis 3:1 que a serpente era um animal que se destacava dos demais. Então, dessa forma Satanás conseguiu chamar a atenção de Eva, a qual deu ouvidos à serpente, foi tentada, duvidou da palavra de Deus e desobedeceu, ou seja, transgrediu à única ordem de Deus. Então Eva ofereceu o fruto proibido ao seu marido Adão, o qual a amava tanto que naquele momento colocou o seu amor pela mulher acima de seu amor à Deus e comeu, se tornando cúmplice do erro de sua mulher, desobedecendo também ao único pedido do Pai. Assim, o diabo roubou o direito do homem de dominar o mundo e tomou posse de tudo. Tanto é verdade que ao tentar Jesus muitos anos mais tarde, o diabo levou Jesus num ponto bem alto, lhe mostrou o mundo e disse que lhe daria tudo se prostrado o adorasse.

Vimos alguns erros que Adão e Eva cometeram e que até hoje somos tentados. Eva estava longe de seu companheiro no momento do encontro com a serpente. Ela não esperou para conversar com seu marido para decidirem juntos se deveriam comer do fruto proibido e se realmente Deus estava escondendo algo tão bom assim como a serpente declarara (Gênesis 3:4-5). Eva foi induzida a duvidar de Deus e não pensou, logo agiu. Adão, ao ver a cena, teve medo de perder a mulher que tanto amava. Vendo que sua mulher havia comido mas ainda estava viva, não se preocupou em desobedecer a Deus e também comeu. Quem sabe Adão poderia ter esperado e perguntado ao Pai o que deveriam fazer, se Ele poderia perdoa-la e dar uma nova chance a Eva. Ou quem sabe deixado que Deus a punisse e criado outra companheira para Adão. Que situação complicada se encontrava Adão, pois como marido e pelo amor que sentia pela sua companheira, a única solução que ele achou era sofrer as conseqüências junto com sua esposa.

Não podemos nos esquecer de que o homem foi feito à imagem de Deus (Gen. 1:26). Portanto, o homem era muito sábio. Porém, mesmo não sabendo qual seria a decisão que Deus tomaria com respeito ao erro de sua amada, ele poderia ter confiado em Deus e intercedido por ela junto ao Pai. Mas, nesta encruzilhada, mais uma vez o inimigo venceu.

Ao comerem do fruto, seus olhos foram abertos, receberam o conhecimento do bem e do mal, viram que estavam nus e se esconderam. Fizeram para si roupas com folhas de figueira para se cobrirem.

Todos os dias Deus os visitava no jardim. Então, naquela hora, na viração do dia, Deus os procurou e eles se esconderam. Deus perguntou: onde estás? Então Adão disse que teve vergonha porque estava nu. Neste momento começaram a culpar um ao outro. O homem acabou jogando a culpa no próprio Deus, ao dizer que o erro foi de Eva, a mulher que Ele havia lhe dado. A mulher culpou a serpente, a qual foi criada por Deus. Ou seja, o inimigo, depois de tudo o que fez, ainda tentou culpar o próprio Deus pela entrada do pecado, querendo dizer que a sua Lei era impossível de ser cumprida.

Mas Deus, em sua infinita sabedoria e seu infinito amor, criou o Plano da Salvação. Então instituiu que a partir daquele momento o homem deveria fazer um altar onde iria sacrificar um cordeiro como oferta pelo perdão de seus pecados. Este sacrifício simbolizava a morte do Cordeiro de Deus que viria mais tarde para morrer como pagamento pelos nossos pecados. “O salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:23).

Creio que todos já ouviram a história de Caim e Abel, filhos de Adão e Eva, os primeiros habitantes do nosso planeta, nossos pais. A bíblia nos conta como aconteceu o primeiro homicídio. Caim ficou com raiva do seu irmão e matou Abel. Mas esta história ficará para o próximo artigo.

Tenham uma ótima semana e reflitam sobre o amor de Deus por nós e na importância de colocarmos Deus em primeiro lugar nas nossas decisões diárias.


Vlaj Lindemuth
Publicitário, Analista Desenvolvedor de Sistemas, pós-graduado em Engenharia de Sistemas, criador e desenvolvedor do Jornal RMC
Email: vlajmuth@hotmail.com
Site: www.jornalrmc.com.br




Mais textos deste colunista:
O bem contra o mal (parte 1)
Homenagem ao Dia da Mulher: "Mulher Brasileirêza"

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 10.400.271 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.