Se assim somos é porque assim imitamos

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
 

Aqui sentado no saguão, observo a agitação das pessoas ano aeroporto.

Alternam-se sensações de expectativa com tédio, espera paciente ou fúria por atraso que não se explica. Alguns andam de um lado para outro, outros tentam se concentrar em uma leitura e existem os que fogem do marasmo, perdidos em palavras cruzadas ou nos desafios dos números impossíveis do Sudoku. Cada pessoa é proprietária exclusiva de uma identidade que a faz singular e entre tantos tipos humanos nenhum se iguala nem em aparência, menos ainda em sentimentos. Parece incrível que todos são originários dos mesmos antepassados e que centenas de milhares de anos, lá na profundeza das cavernas se esculpia as diferenças de agora que este apinhado saguão de aeroporto exibe. Mas, não pode existir espaço para a dúvida, quando a certeza da ciência o ilumina: a quase totalidade dos comportamentos e procedimentos adultos baseia-se no que absorveram por imitação durante sua infância. Se a antropologia nos iguala, a educação nos diferencia.

Esta incrível diversidade de comportamentos fala-nos muito alto sobre a importância da educação infantil.

Se agirmos de certa maneira, se preferimos esta ou aquela fórmula para administrar nossa impaciência ou para esconder a insegurança, o fazemos não porque geneticamente existem códigos herdados, mas por pura obediência a um conjunto de impressões imitativas, arraigadas em nosso comportamento, aparentemente “esquecidas” em nossas lembranças, mas certamente conquista junto aos modelos com os quais crescemos. É justamente em obediência a essa permanente cópia que é tão difícil às sociedades a mudança de suas crenças e que tragédias gregas pensadas há milhares de anos possam ser adaptadas a novelas que parecem esculpidas no cotidiano. Um adulto é assim comportamentalmente, bem menos a combinação genética que o fez singular e essencialmente a resposta aos pais que o acolheu, os amigos que o ensinaram, os programas dos quais participou ou professores que os esculpiram.

Essa incrível diversidade de comportamentos reitera a importância inquestionável da educação infantil.

Se desejarmos que os seres humanos se aprimorem, se pretendemos que a busca pelo amor saia dos jargões e se transforme em pratica, se almejamos que a geração que agora vive prepare um mundo ainda melhor para a que logo mais chegará, pouco há fazer quanto a estrutura molecular do corpo humano, muito resta debater sobre como educamos nossas crianças. Educar é preciso que se diga, não apenas no sentido de instruir, informar, abrir competências, estimular significações, mas educar no sentido de ensinar afeto, propor desafios, ajudar construir e preservar amizades, mostrar alternativas ao tédio, à agressão, à raiva e à tristeza.

O vôo que espero agora é chamado. Desligo-me de pensamentos e paciente me alinho na fila do embarque, esquecendo a prioridade dos mais velhos da qual na realidade ninguém se lembra. Não adiante culpá-los pela precipitação e menos ainda dizer que não se respeitam privilégios. Se assim somos e assim nos comportamos é pela educação infantil que tivemos.

Se sonharmos um amanhã melhor e espaços mais civilizados temos que continuar batendo na insensível tecla de que a educação infantil é tudo, o resto quase nada.


Celso Antunes
Bacharel e licenciado em Geografia pela Universidade de São Paulo, Mestre em Ciências Humanas e Especialista em Inteligência e Cognição; Membro da Associação Internacional pelos Direitos da Criança Brincar (UNESCO); Embajador de la Educacion – Organización de Estados Americanos; colaborador emérito do Exército Brasileiro; sócio fundador do Todos pela Educação - Sociedade Civil que reúne lideranças sociais, representantes da iniciativa privada e educadores; autor de cerca de 180 livros e consultor de diversas revistas especializadas em Ensino e Aprendizagem; ministrou palestras e cursos em todos os estados do país, mais de 500 municípios; ministrou palestras e cursos na Argentina, Uruguai, Peru, México e outros países.
Email: celso@celsoantunes.com.br
Site: www.celsoantunes.com.br




Mais textos deste colunista:
Uma Professora de Belezas
Quem ama o feio... ou Darwin que disse
O cérebro e a sala de aula
Deficiência
Alienação
Cuidado! O nazismo pode estar voltando...
Um "ET" em minha sala (I) - O que aprender
A criança e o mundo dos números
Ensinar o que? II
Competências do Ensino Médio
Saber fazer é bom, saber porque fazer é mais...
Ser leitor
A disciplina em sala de aula
Margarida
Olhar Empático do Mestre
Um sol que não tem tamanho
Um Programa Alternativo
Os Bichos e os Homens
Cérebro Adolescente
Por que ensinar valores?
Nesta escola não existe...
Bota a gente calça e calça a gente bota...
A Plástica e a Caminhada
Por que as crianças se estressam?
O Espaço Tenebroso
Dificuldade de Aprendizagem ou de Sensibilidade?

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 7.251.319 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.