Pra quem nasce na guerra, a paz não existe

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
Gabriela Silva Peres
gabrielaspperes@gmail.com
 

Favela, Maracanã, tráfico de drogas, Cristo Redentor, aeroporto Santos Dumont, ônibus lotado, carro importado. Realidades diferentes, sem novidade que agrade e consciência de que tem alguém que pague.

Vivemos num fluxo de cegueira de gente que tenta ver, mas não vê nada. Periferias, vielas, cortiços. Você deve estar pensando: "O que você tem haver com isso?".

Um pouco, nada, quase nada ou quase tudo. Viver pobre, preso, no crime ou morto virou a cultura dessas pessoas. Quem liga? Se tivéssemos a capacidade de perceber quem morre, veríamos quem mata.

É a sociedade que mata, que “desurbaniza” essas pessoas. Mostramos aos nossos filhos que existem crianças que nascem em famílias de pessoas viciadas e com reais problemas? Será que mostramos a realidade que a grande maioria da população brasileira vive? Sem brincadeiras, sem conto de fadas. Onde o único príncipe encantado que podem esperar é o patrão que conhece ainda na adolescência.

Crianças precisam ajudar, se não trabalhando fora de casa mas dentro, porque a mãe fora está. As drogas são fatores reais de suas famílias. Crianças presenciam pais alcoólatras, frequentes viciados em cocaína onde o acesso é na esquina. As roupas doadas por ONGs, no pé chinelo as remendas. O Almoço repetido por vezes na escola para compensar o próximo que na maioria demora.

A fada da felicidade chega diferente em lugares que vemos como uma atração para estrangeiros, ou em matérias do Jornal Nacional que traz uma realidade cheia de rodeios. Ninguém quer ver esse sofrimento de perto, mas querem colocar na prisão os que encontram com uma arma na mão. Nenhuma pessoa em estado normal será a favor do crime ou do tráfico. Mas entender a dificuldade e ver de onde ela vem é essencial para uma discussão digna a respeito de um assunto que seria delicado, se não fosse tão real.

A raiz deste problema está em nós mesmos, na sociedade que cerca essas pessoas tão miseráveis, tanto de uma vida digna, com bens materiais necessários para a sobrevivência, como da oportunidade de ter conhecimento. De perceber coisas que não as são mostradas. Ter um livro para ler, uma professora para ensinar, um caderno descente para escrever.

Um adolescente que entra para o crime sabe sim o que está fazendo, tem noção das consequências que um roubo traz ou o que matar uma pessoa faz. A questão é o que lhes foi ensinado. Quem são seus pais? O que seus pais aprenderam para poder educá-lo? O que ele tem ao seu redor?

Qual a probabilidade de uma criança pobre ser alguém bem sucedido na vida? É possível, mas para a maioria deles entrar para ajudar no tráfico, ou roubar uma senhora na rua é mais fácil e “ta na mão”. Precisamos ter consciência de que se hoje, sabemos o que é certo ou errado, se sabemos que devemos trabalhar para conseguir algo que queremos e se sabemos que devemos respeitar nosso semelhante, alguém nos ensinou.

Da mesma forma que existem pessoas que não aprenderam como "serem pessoas". Nascem em lugares onde a opção de fazer o certo é fraca. Não aprenderam a ser fortes. Não foi sempre dito que essas pessoas não têm vez? A diferença é particular, e cada um que faz.

Grandes exemplos de pessoas que tinham tudo para ir para o lado que tudo “vem fácil”, e por algum motivo deram a volta por cima e fizeram diferença. Será que todos encontram esses motivos? A pobreza revolta, a dificuldade traz vingança, e a falta de oportunidades entristece. E é por isso que, para que eu seja a favor da prisão de menores infratores para que sejam responsáveis pelos seus atos aprovando a lei para diminuir a maior idade penal, é importante que o mal seja cortado pela raiz.

A fundação casa "não existe", prender um menor não resolve, apenas esconde o problema e tira da visão de quem prefere não enxergar. E isso não é uma maneira digna de viver uma vida real. Afinal, que governo vive? Pra quem nasce na guerra, a paz não existe. Criar atalhos não resolve, devem-se criar escolas e oportunidades de emprego para essas pessoas. Qualificar nossa gente, para que nosso preconceito diminua e possamos tirá-los da vida dura.

O governo prefere prender para se esconder e passa a bola para a população que pouco tem informação.
A favor de prender nossos menores é o que escolheria a grande população, já que o governo tem ciência da possível votação. O que o povo não percebe é que quem deveria ser preso são aqueles no qual jogam o problema em suas mãos.

"Menos de cinco por cento dos caras do local são dedicados a alguma atividade marginal e impressionam quando aparecem nos jornais, tapando a cara com trapos, com uma Uzi na mão. Parecendo árabes, do caos, sinto muito "cumpádi", mas é burrice pensar que esses caras é que são os donos da biografia já que a grande maioria daria um livro por dia, sobre arte, honestidade e sacrifício. SACRIFÍCIO!, Arte, Honestidade e Sacrifício"(trecho da música Hey Joe, O Rappa).

Eu sonho com um país melhor, mas não acredito nele. Daí eu te pergunto, Você se encontra sem trabalho, na pobreza e desesperado com seu filho chorando de fome, te oferecem um pino de cocaína pra vender para o moço que já está esperando na esquina em troca de vinte reais pra comprar o leite que precisa pro teu filho que continua berrando de fome, você não venderia? Aí é que ta “mermão”, se você pode, porque eles não?


Gabriela Silva Peres
Formada em jornalismo pela Universidade Paulista - UNIP
Email: gabrielaspperes@gmail.com
Site: gabrielaperesportifolio.blogspot.com.br
Blog: peresgabrielaperes.blogspot.com.br




Mais textos deste colunista:
Projeto Cão Feliz
O que fazer quando falta inspiração para escrever
O que define uma relação
O DIFÍCIL ACESSO A EDUCAÇÃO
Namore um barrigudinho
Depoimento de um Call Center
Idolatre a Dúvida
Os Black Blocs
Cara de Pau (Augusto Antunes)
Marginalzinho marginalizado?
Deixa eu falar filha da puta!
Governo "dilma"
Qual é a cor do inimigo?
INVEJA
O que não pode ser debatido numa democracia?
Eleições 2014
UNIVERSIDADE PARA TODOS. AHAN ...
Se eu morrer, façam festa
Por que estão com tanto medo, homens de pequena Fé? (Mateus 8:26)
Não é mais tempo de votarmos no PT
Ônibus lotado, cansativo, apertado. Tudo errado
Ópio ou não, pra que religião?
Comer bebês é proibido, afirma Governo
E "Deus fez o homem e a mulher". E ponto ?
TRAIÇÃO

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 8.704.439 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.