Geração “Ema Ema”

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
 

17 de Dezembro de 2013


Sempre ouvimos nossos pais, avós e pessoas mais velhas nos contarem sobre suas saudosas épocas de jovens e como antigamente a geração era diferente. Ouvimos que a violência era menor, os crimes menos bárbaros e ficamos com a impressão que os tempos já foram melhores.

Creio que em certos aspectos realmente outras gerações tiveram pessoas com outros tipos de pensamentos e atitudes que foram mais solidárias umas com as outras. Mas também concordo que na época em que vivemos temos muitos traços de melhoria em algumas coisas produzidas pelos seres humanos, por exemplo, a tecnologia que nos ajuda em muitas coisas.

Mas nesta geração pós-moderna tenho percebido algo que tem me incomodado muito e que me faz refletir sobre a nossa sociedade e a minha vida: o individualismo. Marca tão presente, mas ignorada por esta geração do século XXI.

Assistindo a um reality show na TV, vi um programa onde dois participantes, um homem e uma mulher, cumpriam tarefas designadas por um mediador que juntos deviam se ajudar para alcançar os objetivos traçados. Durante todo o jogo os dois se ajudavam e dependiam um do outro para realizar as tarefas propostas. Mas na última prova eles teriam que realizá-la sozinhos, ou seja, separadamente, no melhor estilo “cada um por si”. Quem realizasse a prova primeiro teria direito de ficar com todo o prêmio e se quisesse poderia dar metade para o parceiro. O rapaz realizou a prova primeiro que a menina e teve a oportunidade de decidir se ficaria com todo o dinheiro ou dividiria com ela. Depois de pensar e conversar com a moça, ele decidiu ficar com todo o dinheiro mesmo tendo a ajuda da outra moça durante quase todo o período da prova.

Este fato real nos dá uma “pitada” do que é esta geração individualista. Onde cada um deve cuidar da sua vida e não se meter na vida dos outros e trouxe consigo um egoísmo desenfreado, onde apenas importa o que você pensa e quer, sem levar em consideração o outro.

Isto influencia em todo nosso cotidiano e nas nossas relações, pois iremos conviver com as pessoas com este sentimento egoísta e não conseguimos amar, respeitar e cuidar uns dos outros.

Concordo que “se meter” na vida alheia com a intenção errada é tão prejudicial quanto o egoísmo. Mas não se envolver com as pessoas por preferir atender somente as necessidades próprias ou por medo de estar “invadindo” o espaço do outro, tem feito uma geração que se isola e não tem verdadeiros e satisfatórios relacionamentos como casamentos, amizades, família e etc.

Mas o que mais me preocupa é que muitos de nós não percebemos isto e quando se fala no assunto a resposta geralmente é: “Ema, ema, cada um com o seu problema”.


Mateus Feliciano
Casado, 31 anos, professor, palestrante, pastor, graduado em Administração, bacharel em Teologia (Faculdade Teológica Batista de Campinas), presidente da Seara Urbana (moradores de rua) em Campinas/SP, professor no curso de missões urbanas e da Escola de Treinamento e Discipulado da JOCUM, integrante da Fraternidade Teológica Latino Americana (FTL) em Campinas, Coordenador e professor da Escola de Missões Urbanas Ações na Cidade, Coordenador e professor do curso Teologia & Vocação, Coordenador do Pólis Centro de Teologia, Missiologia, Vocação e Artes e Coordenador e professor na Faculdade Teológica Batista de Campinas.
Email: mateus.feliciano@searaurbana.com
Site: www.searaurbana.com
Blog: http://poliscentro.com/blog




Mais textos deste colunista:
Sociedade da Imagem
Normalmente Diferentes e Diferentemente Normais
Contradições Coletivas
O Perfil de um morador de rua
A Verdade
Compromisso não é possibilidade, é trato
Feminismo e Machismo
Do "Jeitinho" que somos

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 7.165.254 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.