O que n√£o pode ser debatido numa democracia?

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
Gabriela Silva Peres
gabrielaspperes@gmail.com
 

Tipos de jornalismo é o que não falta, pauta pra apurar, fontes pra desvendar, caminhos a percorrer e nunca não ter o que fazer.

Sabemos que, quem escolhe o jornalismo, o faz por amor, por acreditar na verdade e num mundo mais digno.

Sempre penso em jornalistas como seres estupendos, inteligentes, descolados e sem pudores para tratar de qualquer assunto sem papas na língua.

Qualquer assunto? Nem sempre.

O jornalismo, é tabulado como "seriedade", dinamismo, coerência e precisão. Sair do eixo significa, sair do senso comum, do que se espera, da mesmice.

Me interesso por política, nem tanto por economia, passo longe da possibilidade em ser repórter. Tenho personalidade forte e gosto de escrever sobre o que interessa. Posso até saber escrever sobre flores, mas não gosto.

O dever do jornalista √© trazer para o p√ļblico assuntos que passam longe da realidade em que define a popula√ß√£o.

Hoje em dia, as mat√©rias que passam no Jornal Nacional, um dos mais repercutidos dentre a m√≠dia p√ļblica por exemplo, s√£o de interesse p√ļblico, mas n√£o trazem quest√Ķes que fa√ßam a maioria discutir e realmente se preocupar. As mat√©rias s√£o vistas como "mais um acidente" ou "mais um pol√≠tico corrupto". As quest√Ķes passam batido e o interesse pela real manifesta√ß√£o dos fatos se oculta diante da falta de interesse jornal√≠stico em levar al√©m da informa√ß√£o, a vontade de discuss√£o.

Fazer o povo pensar, discordar, questionar, ir atrás de respostas. Trazer interesse a assuntos que são publicados sem a ênfase esperada já que a maioria se interessa é pelo que vem depois na novela.

Temos o poder de levar conhecimento a população, temos esse dever, mas quando fala-se e direitos, bom, não se fala.

Acatamos o que nossos superiores mandam e acabamos por tomar partido, por vezes opostos pela "necessidade".

E quem disse que ter opini√£o seria f√°cil? Ter raz√£o, nos torna antip√°ticos.

Sabe-se que a mídia é manipulável e por muitas vezes a imprensa é comprada. Tempos difíceis em que se acredita num jornalismo que pode não existir mais, afinal todos temos contas pra pagar.

Se o povo começa a pensar, parece que incomoda alguém.

O que quero dizer com todo esse bl√° bl√° bl√° √© que hoje tudo √© muito s√©rio, muito chato, e nada disso me interessa. Escolhi o jornalismo, n√£o sei porque, sempre tive a certeza de que esta era minha profiss√£o, desde sempre. E meu amor n√£o est√° em apenas levar not√≠cia ao p√ļblico. Est√° em trazer discuss√Ķes, dividir tudo o que sei com os que n√£o tiveram a mesma oportunidade.

Por vezes esquecemos que existem pessoas t√£o miser√°veis que n√£o sabem compreender a diferen√ßa de certos partidos pol√≠ticos, por exemplo e votam no que pagou mais na boca de urna. √Č esse tipo de situa√ß√£o que me traz a vontade de revolucionar, de trazer de volta aquele jornalismo alternativo dos Pasquins, o jeito moleque de mostrar a verdade fazendo rir, descontraindo pra educar. Hoje em dia, dizer a verdade n√£o diverte e a maioria gostaria de ler o que queremos escrever, mas os donos da m√≠dia ind√ļstria preferem os rob√īs da monotonia e a culpa √© do lucro.

Alguns ainda não conseguem distinguir o que é um texto jornalístico, e um artigo opinativo. Uma coisa não tem absolutamente nada haver com a outra e quando se publica um texto sobre algum tema "polêmico", subestimam sua inteligência dizendo que o texto tem "muita opinião".

O que me interessa √© levar a realidade ao p√ļblico e faz√™-lo pensar.

Afinal, quem est√° errado? Isso n√£o existe. Tudo o que nos mandam, achamos uma beleza.
Aprender a dizer não e pensar um pouco sem aflição. Temos medo de quê?

São as narrativas independentes que me interessam, o jornalismo com ação, são aqueles que gritam suas frases querendo apenas "inteligenciar" os demais.

Sem medo, sem pudor, sem vender o que se pensa por valor.


Gabriela Silva Peres
Formada em jornalismo pela Universidade Paulista - UNIP
Email: gabrielaspperes@gmail.com
Site: gabrielaperesportifolio.blogspot.com.br
Blog: peresgabrielaperes.blogspot.com.br




Mais textos deste colunista:
Projeto C√£o Feliz
O que fazer quando falta inspiração para escrever
O que define uma relação
O DIF√ćCIL ACESSO A EDUCA√á√ÉO
Namore um barrigudinho
Depoimento de um Call Center
Idolatre a D√ļvida
Os Black Blocs
Cara de Pau (Augusto Antunes)
Marginalzinho marginalizado?
Deixa eu falar filha da puta!
Governo "dilma"
Qual é a cor do inimigo?
INVEJA
Elei√ß√Ķes 2014
UNIVERSIDADE PARA TODOS. AHAN ...
Se eu morrer, façam festa
Por que estão com tanto medo, homens de pequena Fé? (Mateus 8:26)
Não é mais tempo de votarmos no PT
Pra quem nasce na guerra, a paz n√£o existe
√Ēnibus lotado, cansativo, apertado. Tudo errado
√ďpio ou n√£o, pra que religi√£o?
Comer bebês é proibido, afirma Governo
E "Deus fez o homem e a mulher". E ponto ?
TRAIÇÃO

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 8.704.437 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.