O DIFÍCIL ACESSO A EDUCAÇÃO

Compartilhar no Facebook

Enviar por email Imprimir este artigo
Gabriela Silva Peres
gabrielaspperes@gmail.com
 

Professores mal remunerados, falta de livros, lápis e cadernos. Falta de lousas, apagadores, carteiras e cadeiras. Falta de bebedouro e banheiro nas escolas do Brasil.

Apenas quarenta e quatro por cento das escolas no Brasil tem banheiro, eletricidade, esgoto e cozinha. Menos de 0,6 por cento tem infraestrutura próxima ao ideal para o ensino.

O Brasil é o décimo pior país colocado em leitura no programa internacional de avaliação de alunos no ranking de sessenta e cinco países. É o sétimo pior em matemática, sexto pior em ciências.

Estamos atrás da Romênia e Tailândia. Somos a oitava maior nação com o maior número de analfabetos adultos entre cento e sessenta países pesquisados pela Unesco. Quatorze milhões de brasileiros não sabem ler, nem escrever.

Existem trezentos milhões e quinhentos mil analfabetos funcionais, ou seja pessoas que sabem ler e escrever mas não entendem aquilo que leem.

Precisamos entender que educação não é gasto.
O governo brasileiro investe por ano em educação cerca de 6,1 por cento do PIB, isso significa numa perspectiva pessimista mais de duzentos bilhões de reais que é capaz de financiar seis copas do mundo.

A falta de acesso à educação é o gatilho para praticamente todos os problemas sociais que passamos em nossas cidades. Faz com que uma criança saia em desvantagem desde o início da vida, pois depende desse sistema precário que envolve todos os estados do país.

O Brasil ocupa o 53º lugar em educação, entre sessenta e cinco países avaliados
Mesmo com o programa social que incentivou a matrícula de 98% de crianças entre 6 e 12 anos, 731 mil crianças ainda estão fora da escola.

O analfabetismo funcional de pessoas entre 15 e 64 anos foi registrado em 28% no ano de 2009.
34% dos alunos que chegam ao 5º ano de escolarização ainda não conseguem ler. 20% dos jovens que concluem o ensino fundamental, e que moram nas grandes cidades, não dominam o uso da leitura e da escrita. Professores recebem menos que o piso salarial e ainda assim são obrigados por amor, ou falta de opção a trabalhar porque acreditam que a educação é a única salvação.

Ignorância é força. É satisfatório manter as massas em estado de pobreza. Uma sociedade hierárquica só seria possível num mundo de pobreza e ignorância. É bom para os partidos que seus membros sejam fanáticos crédulos e ignorantes. Que na população predominem sentimentos como medo e ódio.

Do ponto de vista dos governantes, os únicos perigos reais são o surgimento de um novo grupo de pessoas capazes. Isso significa que o problema se resume a educação onde os pensamentos “incorretos” são a alma da liberdade.


Gabriela Silva Peres
Formada em jornalismo pela Universidade Paulista - UNIP
Email: gabrielaspperes@gmail.com
Site: gabrielaperesportifolio.blogspot.com.br
Blog: peresgabrielaperes.blogspot.com.br




Mais textos deste colunista:
Projeto Cão Feliz
O que fazer quando falta inspiração para escrever
O que define uma relação
Namore um barrigudinho
Depoimento de um Call Center
Idolatre a Dúvida
Os Black Blocs
Cara de Pau (Augusto Antunes)
Marginalzinho marginalizado?
Deixa eu falar filha da puta!
Governo "dilma"
Qual é a cor do inimigo?
INVEJA
O que não pode ser debatido numa democracia?
Eleições 2014
UNIVERSIDADE PARA TODOS. AHAN ...
Se eu morrer, façam festa
Por que estão com tanto medo, homens de pequena Fé? (Mateus 8:26)
Não é mais tempo de votarmos no PT
Pra quem nasce na guerra, a paz não existe
Ônibus lotado, cansativo, apertado. Tudo errado
Ópio ou não, pra que religião?
Comer bebês é proibido, afirma Governo
E "Deus fez o homem e a mulher". E ponto ?
TRAIÇÃO

COMENTE ESTE ARTIGO:
Nome:
Email:

(0 / 255)
O tamanho máximo do comentário é de 255 caracteres.
Atenção!
Você irá receber um email para confirmar seu comentário para que o mesmo seja publicado nesta página, portanto o campo Email é de preenchimento obrigatório e, ao enviar, você assume a responsabilidade pelas suas palavras inseridas neste comentário.
*NOTA : o JornalRMC abre esse espaço para que nossos colunistas exponham, de forma voluntária, seus pontos de vista sobre os assuntos em que são especialistas. Dessa forma, as opiniões apresentadas são de única e exclusiva responsabilidade dos mesmos, não refletindo necessariamente a opinião do portal e de seus editores.

 
SOS Impressoras
Rádio Novo Tempo Campinas
Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas

.: Acessos: 8.704.445 :. | .: desde Agosto/2007 :. | .: contato: imprensa@jornalrmc.com.br :. | .: desenvolvido por: LINDEMUTH Comunicação :.