Cenário de alta na taxa de juros, grandes oportunidades para os investidores em renda fixa

Fuja da poupança e garanta a rentabilidade adequada aos seus investimentos

Por Lucas Stafocher Pansa

Nos últimos anos, vivenciamos um período de baixa na nossa taxa de juros, o que fez com que até o investidor mais conservador assumisse posição mais agressiva no mercado, no intuito de alcançar rentabilidades mais atrativas. No entanto o cenário está mudando, hoje voltamos aos 2 dígitos na taxa básica de juros, mais conhecida como Selic. Com a nova deliberação do COPOM, nossa taxa atual é de 10,75%, patamar que não era alcançado desde 2017.

Primeiramente vamos entender essa taxa e os motivos que levam o nosso Banco Central a alterá-la. Não é segredo para ninguém que a inflação em níveis elevados é uma das maiores preocupações da equipe econômica de um país. Quem viveu nas décadas de 80 e 90 sabe bem o efeito negativo que índices inflacionários descontrolados causam. Uma das políticas monetárias assumidas pelo Banco Central, com o objetivo de enquadrar o país nas metas de inflação, é justamente no aumento ou redução da taxa Selic.

Em períodos de forte inflação espera-se que governo intervenha e aumente a taxa de juros, no intuito de diminuir a circulação de dinheiro na economia, afinal de contas o “custo do dinheiro” estará mais elevado o que possivelmente reduzirá a inflação. O contrário é verdadeiro, recentemente presenciamos um período de inflação negativa, mais conhecido como deflação, isso no primeiro semestre de 2020 e no ápice da pandemia, o que levou o governo a reduzir essa taxa a mínima histórica de 2%, no intuito de incentivar a economia.

Como no decorrer do ano de 2021, o IPC-A – índice oficial de inflação do país, calculador pelo IBGE – apresentou resultados bem acima da meta, o governo se viu obrigado a aumentar gradativamente a nossa taxa de juros. Tal fato pode ser interessante do ponto de vista do investidor que tem apreço pela renda fixa, pois quando a SELIC meta é majorada, todas as outras taxas aumentam por tabela, inclusive o CDI que é bem conhecido pelo mercado.

Vale ressaltar que não é possível investirmos diretamente no CDI, pois trata-se de uma taxa com lastro em operações realizadas entre as instituições financeiras, pois mesmo os bancos sendo concorrentes trocam dinheiro e cooperam entre si. Historicamente o CDI fica muito próximo da taxa Selic.

Muito popular entre os brasileiros, a caderneta de poupança é um título de renda fixa que é predominante entre os poupadores do nosso país. Apesar da ligeira melhora do rendimento com o aumento da taxa de juros, será que ela realmente vale a pena? Vamos entender como ela é calculada.

Com a SELIC atual, a forma de remuneração mensal da poupança é de 0,50% + TR, sendo essa última uma taxa calculada pelo Banco Central e no período de 2017 até novembro de 2021 ficou zerada, voltando a apresentar percentual positivo em dezembro de 2021 quando registrou 0,0488%, influenciado pelo aumento da taxa de juros.

Durante os últimos anos, o juro real da poupança (descontada a inflação) foi negativo. No ano de 2021 por exemplo, quem deixou o valor investido na aplicação teve um rendimento negativo de 6,37%.

Outras aplicações em renda fixa, como CDBs, títulos públicos, LCIs, LCAs e até mesmo fundos DI, podem trazer muito mais rentabilidade com níveis de segurança semelhantes ao da poupança, isso sem mencionar que a remuneração da caderneta de poupança é sempre mensal, ou seja, você precisa esperar a data de aniversário para receber os rendimentos, diferentemente dos títulos acima citados em que a remuneração é diária.  

Os títulos de renda fixa nos dão a oportunidade de conhecer as taxas previamente no momento do investimento (pré-fixadas) ou variando de acordo com um indicador, o mais comum é o CDI (pós-fixadas). Existe também os investimentos com indexadores somados a uma taxa pré-fixada, como por exemplo o IPC-A + um determinado percentual, o que garantiria um ganho real ao investidor. Tal forma de remuneração é conhecida pelo mercado como híbrida.

Além de todas as vantagens em termos de rentabilidade, os títulos de crédito privado CDB, LCI e LCA – assim como a poupança – têm garantia de FGC (Fundo Garantidor de Créditos), que é uma associação sem fins lucrativos, que tem como um dos principais objetivos proteger os investidores no âmbito do Sistema Financeiro Nacional, até os limites estabelecidos pela regulamentação. Já os títulos públicos não contam com a cobertura do FGC, porém têm o governo como garantidor do crédito.

Por mais que o cenário seja interessante para a renda fixa, é muito importante diversificar as aplicações em outros ativos, pois grandes oportunidades podem ser exploradas, sempre respeitando o objetivo e perfil do investidor.  

Portanto deixe o comodismo de lado, fuja da poupança e diversifique suas aplicações financeiras contando com a ajuda de um assessor de investimentos para auxiliá-lo nessa jornada.

Lucas Stafocher Pansa é sócio e assessor de investimentos no escritório Se7e Invest credenciado à XP investimentos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.