Pandemia, Inovação e Propriedade Intelectual

Por Paulo Roberto Toledo Corrêa

Há dois anos o mundo virou de ponta cabeça com a pandemia da Covid-19. Populações foram vitimadas e consequentemente a economia também. Pessoas morreram. Negócios quebraram. Ricos perderam fortunas e tem vivido algo que não imaginavam em termos de restrições sanitárias e econômicas.

Negócios inteiros e setores de serviços dependentes da circulação de pessoas deixaram de existir. Outros diminuíram para sobreviver. Alguns estão tentando se reinventar. O cenário é devastador e as emoções também.

A vida ficou difícil e sem fé, as perspectivas mais assustadoras ainda.

Mais um ano perdido. Mais um ano de luta pela sobrevivência física, espiritual, emocional e econômica. O que será de nós?

Como conseguiremos superar a crise e sairmos melhor do que entramos, com tanta destruição ao redor? É nesse cenário devastador que procuramos entender como sobreviver usando a inteligência e os dons que recebemos de Deus para um mundo de superação e de vitória sobre a morte, sobre o pessimismo reinante e fazendo um mundo melhor.

Nós que trabalhamos com Propriedade Intelectual somos privilegiados nesse sentido. É neste ecossistema que surgem as inovações que irão melhorar nossas vidas. Como profissionais da área temos o privilégio de orientar clientes inovadores e suas soluções que trazem esperança de um mundo melhor e resolução para problemas – desde a área de saúde, com medicamentos e equipamentos e outras de apoio na luta contra a pandemia.

É bom refrescar a memória quanto ao ditado ‘crise é igual a oportunidade’, pois muitos cérebros buscam aperfeiçoamentos e criam novos produtos diante das novas necessidades e assim, nós especialistas na proteção legal das invenções e novas tecnologias somos acionados. Conhecimento é poder. Conhecimento é dinheiro, prosperidade.

Neste período tivemos a inserção de novas tecnologias e técnicas que ajudam na busca da sobrevivência.

Querem alguns exemplos? Alguns não são protegidos por patentes:

Impressão em 3D utilizadas para construir; EPIs e ventiladores mecânicos; Telemedicina para que grupos de riscos e idosos tenham atendimento médico seguro; Rastreamento de doenças através do controle do paciente infectado ao se deslocar. Programas para identificação da proximidade de pessoa contaminada; Inteligência Artificial na identificação do vírus no rastreamento através das tomografias pulmonares; Realidade virtual utilizada para reduzir sintomas psicológicos de profissionais da linha de frente dos hospitais.

Vacinas foram desenvolvidas em tempo de trocar os pneus com o carro em movimento, salvando milhões de vidas e que infelizmente são alvos de discussões políticas desnecessárias, num momento onde o que se busca é salvar a humanidade da pandemia.

Na região de Campinas (SP), a empresa Mann Hummel aperfeiçoou um filtro com raios ultravioleta, objeto de patente, que mata as bactérias transmissoras de infecções e o vírus da Covid-19. Tais filtros podem ser utilizados em UTIs, quartos hospitalares, consultórios odontológicos, escritórios e outros locais fechados. Tudo em prol da luta contra o vírus.

É lógico que tais empresas buscam ganho financeiro, mas o mundo funciona desta forma. A inovação deve ser protegida e os pesquisadores e inventores recompensados. O que não precisamos é de políticos corruptos, disfuncionais e de gente que vive uma disputa ideológica interminável para salvar o mundo de algo que não se sabe.

Paulo Roberto Toledo Corrêa é advogado, especialista em Propriedade Intelectual e Industrial e Direito Autoral e diretor da Toledo Corrêa Marcas e Patentes.


Roncon & Graça Comunicações
Jornalistas: Edécio Roncon / Vera Graça

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.