Foliculite: descubra o que é e como tratar

Entenda o que é foliculite e confira os tratamentos mais indicados, tirando suas principais dúvidas sobre o assunto.

Comum em pessoas que sofrem com irritações e infecções após a depilação, a foliculite é uma condição que afeta a saúde da pele e incomoda muita gente!

Embora tenha apenas um termo para a situação, existem vários tipos de foliculite e também muitas opções de tratamento, variando bastante conforme a causa inicial.

No artigo de hoje, iremos conferir, de fato, o que é foliculite e algumas opções de tratamento e prevenção.

Pronta para saber mais sobre o assunto? Confira a leitura na íntegra!

O que é foliculite?

A foliculite é uma infecção que afeta a pele e se inicia nas estruturas denominadas folículos pilosos.

As complicações são geradas quando ocorre uma infecção, causada por bactérias ou fungos ou quando há a inflamação de pelos encravados – que acaba sendo bastante comum após procedimentos de depilação.

Geralmente a foliculite se mostra como pequenas espinhas que tem as pontinhas brancas – que podem coçar e até doer, gerando um certo incômodo para o paciente.

A condição não é grave na maioria dos casos, e acaba curando naturalmente.

Mas situações mais sérias demandam atenção e talvez seja necessário procurar um médico, que irá propor um tratamento adequado para evitar perda de pelo e até mesmo cicatrizes.

Tipos de foliculite

Assim como as causas de foliculite são bem variadas, os tipos de apresentações também são, podendo ser:

· Foliculite superficial:

Considerado o tipo mais comum, essa foliculite atinge apenas a superfície do folículo piloso.

· Foliculite profunda:

Esse tipo mais raro é profundo e acaba levando até ao surgimento de furúnculo, incomodando ainda mais o paciente.

Dentro de cada um desses tipos ainda existem vários subtipos, por isso, você verá que a diversidade de tratamentos varia bastante conforme cada caso (e causa).

Tratamentos para foliculite

O tratamento para foliculite vai depender da gravidade da lesão e do tipo de causa relacionada.

Embora a diversidade seja bem grande, trouxemos alguns exemplos para você conferir.

Quando a foliculite é do tipo estafilocócica (causada por microorganismos), o tratamento costuma envolver antibióticos e cuidados caseiros até que a situação seja controlada – principalmente em casos que não se curaram naturalmente em casa.

Um tipo de foliculite, considerada como eosinofílica, tem como tratamento principal o uso de medicamentos corticoides e até medicação oral.

Foliculites mais profundas e sérias, como as que formam furúnculos, são um pouco mais graves e demandam de cuidado médico especializado.

Em tais situações, o dermatologista pode realizar a drenagem do processo infeccioso (por meio de incisão), visto que o quadro geralmente se associa com sintomas secundários e perigosos, como febre e dor – além de tratar com antibióticos.

Devido a diversidade de tipos e tratamentos, a melhor saída é sempre procurar um médico, principalmente se o seu caso for frequente ou agravado e você não perceber uma cura natural em casa.

Crédito da imagem: webconsultas.com

Como prevenir a foliculite? Confira dicas!

Para prevenir essas pontinhas que tanto incomodam, trouxemos algumas dicas:

· Procure manter a pele bem hidratada

Além de prevenir a foliculite, a hidratação irá fazer com que o tecido fique ainda mais saudável e as complicações de pele fiquem ainda mais longe.

Como hidratação, faça bom uso de cremes e loções corporais com alto potencial hidratante, principalmente se tiver a pele seca.

Ainda, para somar benefícios, não esqueça de realizar a hidratação interna, tomando bastante água, chás e sucos naturais durante o dia – além de beneficiar toda a saúde, claro!

· Mantenha a limpeza da pele sempre em dia

O ideal é lavar bem a pele (principalmente do rosto) ao menos duas vezes por dia.

Quando o tecido cutâneo está bem limpo e seco, as chances de infecções, irritações e escoriações são ainda menores, prevenindo o desenvolvimento de foliculite – e contribuindo para evitar até o envelhecimento precoce.

· Não exagere nos sabonetes antissépticos

Engana-se quem pensa que fazer o uso frequente de substâncias antissépticas é uma forma de proteção!

Quando utilizamos antissépticos, acabamos eliminando também bactérias que são saudáveis e que protegem as camadas de pele – além de deixar o tecido bem seco.

Desta maneira, não abuse desse tipo de produto, promovendo uma pele mais hidratada e com proteção natural para as infecções relacionadas com a foliculite.

· Tenha cuidado quando for se depilar

Muitas pessoas acabam desenvolvendo foliculite após a depilação, principalmente quando as lâminas machucam e acabam gerando cortes.

Nesses casos, o mais recomendado é hidratar bem a pele para fazer a depilação com lâminas e até utilizar outros métodos depilatórios, como a depilação a laser ou com cera.

Considerações finais

A foliculite é uma condição que afeta muitas pessoas e pode prejudicar bastante o conforto e bem-estar, principalmente se surgir de maneira agravada.

Apesar do incômodo, a maioria dos casos podem ser tratados naturalmente, em casa. Mas quando sintomas indicam problemas maiores, é sempre bom consultar um médico, optando por tratamentos mais potentes – via antibióticos, corticoides e até mesmo drenagens, dependendo da gravidade e causa do quadro.

De qualquer maneira, assim como tudo na vida, a prevenção ainda é o melhor tratamento – por isso, procure colocar no seu dia a dia as dicas que trouxemos no artigo de hoje.

Não esqueça de manter a pele bem limpa, hidratada e não abusar dos sabonetes e produtos antissépticos, que acabam com a defesa natural da pele.

Além disso, se você costuma sofrer com foliculite após a depilação com lâminas de barbear, talvez seja a hora de procurar um novo método de depilação. Mas não se preocupe, várias opções podem te ajudar, como: depilação a laser (uma das mais queridinhas), depilação com cera (quente ou fria) ou depilação a fio.

Ainda bem que existem opções para todos os tipos de pele, não é mesmo?

Se você sofre com problemas de foliculite frequente ou condições agravadas, não esqueça de procurar um dermatologista – prezando sempre pelo bem-estar e saúde!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *