Oportunidade: Confecção de uniformes escolares para a rede municipal de Hortolândia entra na reta final

Curso de Costura Industrial, promovido pela Prefeitura, oferece a bolsistas que criam as peças oportunidade de aprender uma nova profissão

A confecção de máscaras de proteção individual e kits de uniformes escolares de verão, que serão entregues aos estudantes da rede municipal de ensino de Hortolândia, entra na reta final. Os itens – 96,8 mil máscaras e 26 mil kits de uniformes – são fabricados por 50 bolsistas do programa Acerte (Ação Cidadã de Requalificação, Trabalho e Educação), promovido pela Prefeitura de Hortolândia e vinculado à Secretaria de Governo.

A produção das peças acontece durante uma das etapas da formação “Costura Industrial”, oferecida gratuitamente aos bolsistas do Acerte no CQPP II – Costura e Moda (Centro de Qualificação Pessoal e Profissional), órgão da Secretaria de Inclusão e Desenvolvimento Social localizado no Jd. Terras de Santo Antonio.

Além de aprimorar os conhecimentos na área de costura e modelagem ou aprender uma nova profissão, cada aprendiz recebe bolsa de R$ 710,00, vale-transporte e cesta básica de R$171,50, durante o tempo de formação. As inscrições no programa devem ser feitas no Departamento de Direitos Humanos da Secretaria de Governo. Com a grande procura, já há lista de espera.

Atualmente, há duas turmas da formação em andamento, ambas com jornada diária de quatro horas, uma pela manhã, das 8h às 12h, e outra à tarde, das 13h às 17h. O desafio dos aprendizes é concluir, no tempo previsto, os kits de máscaras e de uniformes de verão, que serão entregues aos estudantes matriculados na rede municipal de ensino, desde a Educação Infantil até a EJA (Educação de Jovens e Adultos).

Segundo a Secretaria de Inclusão e Desenvolvimento Social, a previsão é que os kits cheguem às escolas a partir do dia 21 de fevereiro, data em começa o ano letivo na rede municipal de educação. Cada aluno receberá um kit de máscaras, contendo quatro unidades, e um de uniformes de verão, com duas camisetas e uma bermuda. Assim como os uniformes, as máscaras – nos tamanhos P, M e G – variam conforme a faixa etária do aluno. Vencido o desafio da produção das peças de verão, começa para os bolsistas o período da confecção dos uniformes de inverno.

Para Gledson Santos Barbosa, de 42 anos, morador do Jd. Amanda 2, acostumado a trabalhar como garçom e balconista, a formação descortinou novos horizontes. “Vou aproveitar ao máximo. Vai servir como bagagem para mim. É a primeira vez que estou nesta área. Estou muito feliz em trabalhar aqui. O pessoal é muito legal e, para mim, caiu do céu esta oportunidade, em plena pandemia! Não é muito puxado, nem cansativo ou estressante. Aqui tenho a liberdade de conhecer outras áreas – estoque, cortar elástico, dobrar camisetas. Aprendi praticamente todas as etapas do curso”, afirma o aprendiz, animado.

Igualmente entusiasmada, a colega de turma Maria Auxiliadora Silva, de 61 anos, moradora do Jd. Novo Ângulo, já faz planos de atuar na área de costura e modelagem. Experiente em cozinha, a ex-atendente de lanchonete e ex-cozinheira, curte agora a oportunidade com que sonhava há tempos. “Eu tinha vontade, mas faltava a oportunidade.

Não sabia costurar, nem pegar na máquina de costura. Aqui, os professores são bastante pacientes e ensinam tudo – corte, costura, limpeza, conferência. Agradeço muito a Deus pela oportunidade. Quero aproveitar muito mais do curso e ter minha renda na área da costura”, afirma a bolsista.

Ane Medina Néri
jornalista – Departamento de Comunicação – Sec. de Governo – Prefeitura de Hortolândia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.