Projeto da USP é finalista em premiação que reconhece iniciativas em prol da igualdade de gênero na tecnologia

Criado em 2018 pelo ICMC, o Technovation Summer School for Girls ensina técnicas de programação e de habilidades empreendedoras para meninas de 10 a 18 anos

O projeto Technovation Summer School for Girls (TechSchool)escola de verão oferecida pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, está na final da categoria Iniciativa de maior impacto, do Women in Tech Brazil Awards, premiação criada para reconhecer atividades que promovem a igualdade de gênero na área de tecnologia. Na cerimônia em que serão anunciados os vencedores, marcada para o próximo dia 1º de outubro, às 14 horas, no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, a estudante Gabriella Locateli, que participou da TechSchool em 2021, também concorrerá ao prêmio, na categoria Jovem aspirante.

Realizado desde 2018 pelo ICMC, o Technovation Summer School for Girls já impactou mais de 450 meninas, de 10 a 18 anos, ensinando técnicas de programação e habilidades empreendedoras para o desenvolvimento de aplicativos que podem ajudar a solucionar problemas sociais. Todos os anos as participantes da escola de verão são estimuladas a levarem suas ideias para a Technovation Girls, competição global de tecnologia para alunas do ensino fundamental e médio, em que devem apresentar um aplicativo.

TechSchool estimula meninas a desenvolverem aplicativos que podem ajudar a solucionar problemas sociais 
(crédito da imagem: Denise Casatti)

Na edição de 2021 da iniciativa internacional, a equipe de Gabriella conquistou o primeiro lugar na modalidade júnior da regional da América Latina, surpreendendo os jurados com o aplicativo batizado de Diana, em homenagem à personagem da Mulher Maravilha, cujo objetivo é ajudar mulheres a saírem da condição de violência doméstica. A ferramenta, que usa geolocalização para identificar onde a vítima está e levar ajuda até ela, possui uma interface disfarçada, que se parece com um app de leitura, isso para que o agressor não desconfie do seu uso e para que a vítima se sinta mais segura em fazer a denúncia.Sobre a prêmio – Lançado em 2021, o Women in Tech Brazil Awards busca enaltecer mulheres que trabalham no dia a dia para diminuir a desigualdade de gênero na tecnologia, bem como a atuação de pessoas ou empresas que são referências e inspirações a outras mulheres, contribuindo para sua aproximação com o ramo tecnológico. O prêmio possui sete categorias: Mulher Líder Global; Mulher Disruptiva; Aliada das Mulheres na Tecnologia; Conjunto da Obra; Mulher em Tecnologia Startup; Iniciativa de Maior Impacto; e Jovem Aspirante.

Gabriella Locateli, de 13 anos, está concorrendo ao prêmio na categoria Jovem Aspirante 
(crédito da imagem: arquivo pessoal)
 

Texto: Henrique Fontes – Assessoria de Comunicação do ICMC/USP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *