Chove 104,3 mm em Nova Odessa em 3 dias, Quilombo sobe 1,5 metro, mas nenhum imóvel é alagado

Por Diretoria de Comunicação da Prefeitura de Nova Odessa/SP

O interior de nenhuma residência de Nova Odessa chegou a ser atingido pelas águas da cheia do Ribeirão Quilombo, entre sábado (29/01) e segunda-feira (31/01), assegurou a Defesa Civil Municipal. As fortes chuvas que atingem a região fizeram com que o nível do Ribeirão Quilombo subisse, atingindo trechos das ruas mais baixas de alguns bairros (jardins São Jorge e Flórida e Vila Azenha).

No domingo à tarde, o máximo que o Quilombo atingiu 1,50 metro acima do normal, por cerca de duas horas. Mas na tarde desta segunda-feira, o ribeirão havia baixado para 20 cm acima do seu nível normal.

Segundo a Coden Ambiental, choveu na cidade 104,3 milímetros entre sexta-feira e domingo. Foram 31,3 mm na sexta-feira, 18,00 mm no sábado e 55,00 mm no domingo. Nesta segunda-feira, eram mais 14,37 mm até por volta das 11h.

A equipe do órgão da Prefeitura da cidade manteve (e mantém) o monitoramento de campo e a comunicação com as famílias das áreas de risco ao longo de todo o final de semana. “Com nível até 1,5 metro acima do normal, na nossa régua, o rio não atinge residências”, explicou o coordenador da Defesa Civil de Nova Odessa, Vanderlei Wilians Vanag.

Apenas um morador da primeira rua do Jardim Flórida, acamado, foi retirado no domingo à noite e levado pela equipe para a casa de parentes, por precaução, devido ao risco de o nível do ribeirão continuar subindo – que acabou não acontecendo.

Acompanhando toda a situação ao longo do final de semana, o prefeito Cláudio José Schooder, o Leitinho, parabenizou as equipes envolvidas no monitoramento. “Quero agradecer e dar os parabéns a toda a equipe da Defesa Civil e também aos bombeiros voluntários e a todos que estão ajudando o próximo, não só em Nova Odessa, mas na nossa região, que teve cidades bastante afetadas pelas cheias”, afirmou.

ATENÇÃO

A Defesa Civil Municipal mantém estado de atenção, faz o monitoramento constante dos possíveis pontos de alagamento das primeiras ruas dos bairros mais baixos da bacia do Quilombo e mantém contato com as famílias cujas residências, historicamente, podem ser atingidas pela cheia do rio. São cerca de 50, quase todas incluídas em um grupo de WhatsApp criado para essa finalidade no final do ano passado pela Defesa Civil.

Desde dezembro, a Prefeitura de Nova Odessa tem pronto um plano de ação que pode ser colocado em prática a qualquer momento se necessário, que vai desde o suporte à elevação de móveis das residências monitoradas até o eventual abrigamento provisório de famílias afetadas em prédios públicos municipais (o que ainda não foi necessário). Este plano envolve diversas secretarias municipais e, também o apoio de instituições da sociedade civil, se necessário.

ÁRVORE

Devido ao solo úmido e ao peso da própria folhagem molhada, uma antiga árvore situada na esquina das ruas Primeiro de Janeiro e Rio Branco, no Centro de Nova Odessa, caiu no início da tarde desta segunda-feira, atingindo um veículo estacionado e causando uma breve interrupção no trânsito da Primeiro de Janeiro. Não houve feridos.

Tão logo as equipes da CPFL Paulista providenciaram o desligamento da energia elétrica no trecho, equipes das secretarias de Meio Ambiente e de Obras da Prefeitura, com apoio do Setor de Trânsito e da Defesa Civil, cortaram e removeram rapidamente o tronco e os galhos da árvore.

Um dos braços do semáforo deste cruzamento foi destruído pelos galhos, incluindo o equipamento luminoso, de forma que os motoristas e pedestres devem redobrar a atenção ao passar pelo local nos próximos dias, enquanto o conserto é providenciado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.